Investimento social como ponta de valor

0
0



Com a popularidade do conceito de responsabilidade social, cada vez mais as empresas buscam contribuir com projetos de organizações não governamentais, valorizando assim a marca, como revela a pesquisa “Responsabilidade Social das Empresas, Percepção do Consumidor Brasileiro”, realizada pelo Instituto Akatu. Para 68% dos brasileiros, o apoio a ONGs causa impacto positivo na escolha da marca/produto na hora da compra.

 

Essa valorização, contudo, só é possível quando a empresa realmente se empenha em uma causa de forma coerente, relacionando a atuação a seus valores empresariais. “O investimento social pode ser definido como a utilização de forma planejada, monitorada e voluntária de recursos privados ou públicos em projetos e programas de interesse público. É o chamado funding, que se difere muito das doações, uma vez que essas podem ser caracterizadas como caridade e assistencialismo sem compromisso”, afirma o gerente de mobilização de recursos da ONG Ação Comunitária, Maurício Guimarães.

 

O retorno para as empresas que realizam investimentos sociais é na valorização dos produtos e marcas perante a sociedade. Esse reconhecimento acontece, muitas vezes, por meio de selos concedidos pelas ONGs, como é o caso da certificação concedida a parceiros da Ação Comunitária “Parceiro em Ação”, e pela divulgação da marca aliada aos projetos realizados pela instituição social. “Nessas ações todos os participantes se preocupam com o retorno proporcionado à sociedade. Há um planejamento das atividades a serem realizadas com os recursos e um monitoramento constante de todos os recursos envolvidos”, declara Guimarães.

 

Para o gerente, a continuidade no investimento por parte das empresas é uma via de mão dupla. “Financiar projetos sociais é importante não apenas para o desenvolvimento das comunidades e para a transformação da realidade brasileira, mas também ajuda as empresas a cumprirem seu papel social, incluindo-as na responsabilidade pela mudança. E hoje os consumidores estão mais atentos a isso”, conclui.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVamos para o interior?
Próximo artigoA aposta em inovação