Mais que informações, a qualidade delas

0
0
Em um mundo cada vez mais conectado e multicanal, as empresas encontram em seus caminhos o desafio de conseguir trabalhar e lidar com a quantidade massiva de dados ao qual recebem a todo o momento. Entre as dificuldades estão o fato de conseguir aproveitar, em meio a tantas informações, aquelas que poderão trazer bons resultados e sucessos para os negócios, bem como quais sãos as mais importantes para a aproximação com os clientes e fazer com que suas ações sejam mais efetivas e como conseguir manter a melhor imagem em meio a tantos itens. Assim como vem crescendo o conceito, no meio corporativo de que mais do que ter informações, é preciso saber ter a qualidade desses conteúdos, uma vez que não são todos os dados necessários para a gestão. Tema esse que foi discutido na IV Conferência Internacional em Qualidade da Informação da Qibras, Qualidade da Informação Brasil, realizado ontem (09), no Hotel Maksud Plaza. 
Com a participação de profissionais e palestrantes nacionais e estrangeiros, o encontro  trouxe para o debate a importância de se realizar a gestão da informação de qualidade, como fazer, quais sãos as demandas do mercado e os desafios hoje enfrentados pelas empresas. “Qualidade da informação vem crescendo suas necessidades e formas. Hoje, as empresas vêm crescendo suas áreas e percebendo a importância que é um dado de qualidade para a gestão”, afirmou Flávio de Almeida Pires, presidente da Assesso e gestor da Qibras, na abertura.
Entre os palestrantes, esteve Richard Wang, professor do Massachusetts Institute of Technology, MIT, um dos primeiros cientistas a organizar e propor metodologias sobre o big data, além de ser um dos idealizadores da Qibras. Segundo Pires, Wang pode ser considerado como o “pai do big data”. Na abertura, o professor explicou que, apesar de parecer um assunto novo, o MIT iniciou os estudos sobre a qualidade de dados em 1988, porém o termo big data só surgiu há três anos, em uma pesquisa feita pela Mackinsey. “No estudo foi definido que essa é a próxima fronteira da inovação, competição e produtividade. Agora é oficial, ele é importante”, explicou.
O presidente da Abemd, Associação Brasileira de Marketing Direto, Efraim Kapulski, que também participou da abertura, ressaltou a importância que é gerir um dado para o marketing e o bom resultado de uma campanha. “O marketing direto, que é uma comunicação 1 to 1, só é possível ser feito com o domínio dos dados, que é resultado de uma boa governança.”
Acompanhe o portal da ClienteSA para saber mais sobre as palestras e o que disseram os especialistas durante a IV Conferência Internacional em Qualidade da Informação da Qibras.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFã-clube social
Próximo artigoRetenção, com engajamento