Mais que o básico

0
1


Que o mercado de marketing de relacionamento cresceu ninguém discorda. Porém, há ainda muito que evoluir, na opinião de Ana Luiza Whittaker, diretora de comunicação e relacionamento da GVT. De acordo com ela, as empresas muitas vezes desenvolvem uma estratégia de relacionamento que não entrega o básico e, sendo assim, não conseguem desdobrar questões relacionadas à fidelidade e engajamento.
 
Além disso, ela comenta que existe uma questão de adaptação à nova realidade do consumidor always on. “Com crescimento das redes sociais existe uma fonte abundante de informações sobre os clientes e prospects que podem ser utilizadas em ações de relacionamento, mas ainda é preciso tratar estas informações, selecionando o que é realmente útil, e integrá-las com os sistemas que as empresas utilizam para fazer bom uso delas”, explica.
 
Ana Luiza reforça também a importância de ser relevante e avaliar o timing correto para que o cliente tenha certeza de que quando a empresa entra em contato é um assunto que realmente é importante e que trará algum tipo de benefício para ele. Segmentação e histórico para ter essa assertividade no contato com os clientes são fundamentais. Como tendência ela aponta o uso de diversos canais. “O uso de multiplataformas, considerando redes sociais, plataforma de tv por assinatura, tablets, smartphones, traz um grande desafio de comunicação integrada e relevante”, aponta a diretora.
 
Case de sucesso
Recentemente, a GVT lançou um uma parceria com uma empresa de jogos. Por meio de ações de redes sociais, integradas ao uso de e-mail marketing e mala direta direcionadas ao público com maior propensão a aquisição, a operadora teve retornos consideráveis de aceitação da oferta enviada.