Mambo anuncia serviço de delivery

0
7

A rede Supermercados Mambo apresentou o seu novo modelo de negócio: e-commerce Mambo Delivery.  Esse irá atender os consumidores em dois canais, o site e aplicativo para smartphones. Atento às necessidades do mercado e de olho no perfil de consumo de seus clientes, o novo modelo foi criado para levar comodidade e praticidade aos clientes da rede.

A plataforma foi projetada para entregar todos os tipos de alimentos rapidamente, e suas tecnologias são baseadas no conceito de ominichanel para oferecer uma nova experiência ao público. Com o intuito de simplificar a vida corrida, o site e o aplicativo irão trabalhar de forma integrada. Para manter o nível de qualidade, nas entregas, equipes especializadas fazem a separação e escolha dos alimentos que vão direto para casa dos fregueses. “Tivemos muito cuidado com os detalhes, para oferecer o melhor serviço. Os produtos são separados de acordo com seu departamento, embalados e transportados com todo o cuidado”, diz Lucas Nassar, diretor de e-commerce Grupo MGB, holding controladora da rede de supermercados.

“Diante da realidade das grandes cidades, buscamos levar para nossos clientes uma maneira mais cômoda de realizar tarefas do seu dia a dia, com o nosso aplicativo ele pode fazer compras enquanto está na sala de espera do seu dentista ou no taxi à caminho de uma reunião. As ferramentas além de totalmente seguras, ‘otimizam’ o tempo”, continua Nassar.

Depois de produtos de bem de consumo como livros, CDs, eletrônicos, roupas e cosméticos, as vendas de comida e bebida são a próxima onda do e-commerce preveem analistas do mercado. Segundo estudo da Nielsen, divulgado em janeiro de 2015, com 30 mil consumidores em 60 países, incluindo o Brasil, 13% já compram alimentos pela internet. Esse índice deverá subir para 58% dentro de seis a 10 anos, puxado principalmente pela geração milenium. “Já estávamos trabalhando a ideia do e-commerce, mas antecipamos a sua implementação por um pedido dos clientes Mambo”, argumenta o executivo. Ele considera que agora o Brasil está mais preparado para compras de supermercado pela internet por uma série de fatores. Entre os quais menciona a disseminação das redes de banda larga, facilidade de locomoção e mobilidade.