Marketing de incentivo e a necessária regulamentação

0
4



Autor: Ricardo Albregard

 

Elidie Bifano e Luciana Aguiar(1) definem o marketing de incentivo como atividade aplicada a estimular o público-alvo para alcançar e/ou superar metas de naturezas diversas, as quais podem estar relacionadas a vendas, qualidade, produção e outros intangíveis, inclusive integração de equipes. Estima-se que atualmente o mercado de marketing de incentivo movimente 30 bilhões de dólares no mundo todo. De acordo com Edson Crescitelli(2), o marketing de incentivo movimentou somente nos Estados Unidos no ano de 1997, US$ 22,8 bilhões.


O jornal “Mundo do Marketing” publicou no dia 3 de agosto de 2007, pesquisa com 60 mil executivos de marketing que acessam o site, contendo as ações mais planejadas para os próximos 12 meses, sendo que o segmento de marketing de relacionamento e incentivo aparece com 44% da preferência, o segmento promocional e de eventos com 46% e o segmento de publicidade com 33%.
O marketing de incentivo foi incorporado ao mundo empresarial como forma de despertar a motivação, elemento intrínseco em cada ser, de modo que o ilimitado poder de desenvolvimento humano pudesse contribuir para a satisfação pessoal e profissional do trabalhador, proporcionando a melhoria da produtividade empresarial.


Afirma Jorge Medauar(3), que atualmente o marketing de incentivo não se limita a estabelecer um objetivo no começo para o recebimento de um prêmio no final da campanha. Hoje é fundamental levar informação, conteúdo e conhecimento aos participantes, não apenas para facilitar o alcance de metas, mas, sobretudo, para preparar os colaboradores para um mercado competitivo, acirrado e, muitas vezes, sem nenhuma fidelidade.


É importante observar que o costumeiro dinamismo comercial aliado à inteligência e a criatividade humana faz com que novos negócios sejam criados, os quais nem sempre estão inseridos de modo sistemático no mundo jurídico. A História nos mostra que o Direito Comercial surgiu na Idade Média, pela imposição do desenvolvimento do tráfico mercantil. No dizer de Rubens Requião(4), naquela época o ambiente jurídico e social era avesso às regras do jogo mercantil, sendo que os comerciantes foram levados a um forte movimento de união, através das organizações de classe, criando as corporações de mercadores.


Tal fenômeno – criação pelo comércio e regramento posterior – também ocorre com o marketing de incentivo. Este novo segmento de mercado, recentemente criado, merece agora ser tratado com regras próprias. Atravessamos um momento importante na história do Marketing de Incentivo. O movimento de união, a exemplo do que ocorreu com o surgimento do Direito Comercial, segue a passos largos para que a atividade tenha seu Marco Regulatório.


Em 16 de novembro de 2006 foi criado oficialmente o Comitê de Marketing de Incentivo, formado por empresas do segmento que já participavam da Associação de Marketing Promocional – AMPRO da qual o Comitê faz parte.


O estudo jurídico e econômico da atividade de autoria dos eminentes juristas Paulo de Barros Carvalho, Wagner Balera, Nelson Mannrich, Elidie Bifano e Luciana Aguiar e do economista Luiz Gonzaga de Mello Belluzzo foi concluído no início deste ano. A obra “Marketing de Incentivo: uma visão legal” foi prefaciada pelo ex-ministro do Trabalho e ex-presidente do TST, Almir Pazzianotto Pinto, e editada pela Manole.


A síntese das conclusões dos festejados mestres vem demonstrar que: (i) a atividade de marketing de incentivo está inserida no campo do direito civil contendo regras de promessa de recompensa, concurso ou de contrato atípico; (ii) as campanhas motivacionais devem ser estruturadas com regras claras e não punitivas, prazo determinado de duração e participação facultativa; (iii) os prêmios representam recompensa às melhores performances e não têm caráter remuneratório; (iv) devem os prêmios ser concedidos àqueles que atingirem metas predefinidas em campanhas motivacionais; (v) os prêmios devem ser concedidos eventualmente; (vi) os pressupostos fundamentais para caracterizar a eventualidade são a facultatividade (o participante não pode estar obrigado a participar da campanha motivacional) e a incerteza (o participante somente terá a certeza de que ganhará o prêmio se atingir os objetivos propostos); (vii) não incide contribuição previdenciária sobre prêmios concedidos eventualmente, na forma supra-citada; (viii) os prêmios concedidos eventualmente e mediante cumprimento de metas predeterminadas não integram o salário e sobre ele não há incidência de reflexos trabalhistas; (ix) o imposto de renda deve ser recolhido pelo premiado quando da declaração de ajuste anual, se houver acréscimo patrimonial; (x) não há base legal para incidência de imposto de renda na fonte sobre prêmios.


Quanto à jurisprudência, gostaria de ressaltar a importância do entendimento do trinômio: motivação, reconhecimento e recompensa, quando do julgamento de questões atinentes ao setor. É fundamental entender que o prêmio (recompensa) é parte integrante de uma campanha motivacional, devendo o juiz avaliar o prêmio nesse contexto.


Há que se destacar a conclusão de Crescitelli(5) nesse sentido: “A condição para que um indivíduo ou grupo se sinta estimulado a apresentar um desempenho satisfatório é oferecer não somente recompensas, reconhecimento e condições adequadas de trabalho, mas também estabelecer objetivos claros, formas de atuação e metas bem definidas, abrindo espaços para participação na tomada de decisões.”


No que diz respeito à legislação, cumpre esclarecer inicialmente que a atividade é amparada pela lei civil, sendo que segundo interpretação das leis trabalhistas e previdenciárias vigentes, os prêmios não integram o salário, não havendo sobre eles reflexos trabalhistas, nem incidência de contribuição previdenciária, desde que concedidos de forma não-habitual.


Entretanto, a ausência de lei específica, a divergência de interpretação legal, sobretudo no que concerne ao conceito de habitualidade e a escassez de doutrina jurídica acerca da atividade geraram certa retração no mercado. Empresas que utilizam todo o know-how do marketing de incentivo para estímulo de seus colaboradores e o deixam de fazer acabam sofrendo por queda de produtividade e baixa estima de suas equipes.


Em contrapartida, o poder público descobriu os benefícios da meritocracia, sendo que começamos a perceber iniciativas motivacionais em governos de estados, prefeituras e empresas públicas. Como exemplo, podemos citar os programas motivacionais nos governos de Minas Gerais e São Paulo, que foram objeto de matérias nos principais jornais e revistas do País nos últimos meses.


O marketing de incentivo é uma realidade. Sua legalidade e legitimidade são incontestáveis. A aprovação de um marco regulatório é premente, dada a maturidade alcançada pelo setor. Algumas regras deveriam ser definidas mesmo antes da aprovação do projeto de lei, de modo que as empresas tenham novas diretrizes para motivar e premiar e o poder público possa se pautar em normas específicas para exercer o seu papel fiscalizador, até que a atividade seja regulada e regulamentada por completo.


O projeto de lei de marketing de incentivo do saudoso Deputado Julio Redecker foi aprovado na Comissão Trabalhista da Câmara dos Deputados, sendo este o primeiro passo para a aprovação de um marco regulatório.


Tenho certeza de que, em pouco tempo, teremos uma lei específica com suas regras e regulamentos próprios, de modo que a atividade de marketing de incentivo siga seu curso normal, contribuindo com a produtividade nacional.


Ricardo Albregard é advogado da Incentive House.

 


1 BIFANO, Elidie Palma e outros autores. Marketing de incentivo: uma visão legal, 1. ed. São Paulo: Manole, 2007, p. 212.
2 CRESCITELLI, Edson, Marketing de Incentivo, conceito, técnica e prática aplicados a programas de incentivo de vendas, ed. Cobra, 2002, P. 10.
3 MEDAUAR, Jorge. O Incentivo como Ferramenta Transformadora. Revista Eventos.
4 REQUIÃO, Rubens, Curso de direito comercial, 11ª ed., 1º vol., São Paulo: Saraiva, 1981, p. 349.
5 CRESCITELLI, Edson, Marketing de Incentivo, conceito, técnica e prática aplicados a programas de incentivo de vendas, ed. Cobra, 2002, P. 41.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNetIQ lanção solução de gestão de VoIP
Próximo artigoAbemd