Motivação por desafio

0
2



Autor: Marcelo Ponzoni

 

Os grandes vitoriosos têm algo em comum: todos eles foram desafiados e aceitaram os desafios, fossem eles positivos ou negativos. Muitas vezes somos motivados por desafios negativos de familiares, amigos, chefes e até mesmo de uma nação inteira, ainda que sejam afirmações de incompetência, de desqualificação, entre outras.

 

Esse tipo de situação cria dentro de alguns de nós uma adrenalina produtiva e incansável, algo que é inesgotável, que rompe barreiras, que apaga da mente sentimentos como cansaço, desestímulo, insegurança, impaciência e mesmo a noção de limite, até que o objetivo seja conquistado.

 

Quem de nós não tem alguns espinhos entalados na garganta, capazes de surpreender até a nós mesmos? Eu, por exemplo, tenho muitos. Até já consegui eliminar alguns, mas aqueles que ficaram me ajudam a superar diversas barreiras e, quando me sinto enfraquecido, é só apertá-los bastante para que volte a sentir uma força que é indescritível, algo que me fortalece como um multiplicador de carga, me faz morder os dentes e reviver toda a vitalidade do início.

 

Esse sentimento me traz segurança e uma extrema autoconfiança nas minhas capacidades e resistências diante dos desafios. Esses espinhos fazem com que aprenda a receber o “não” e revertê-lo em adrenalina e superação de um desafio, fazem com que uma sequência de retornos negativos se torne motivação e aumente a minha autoconfiança.

 

Mas não creio que isso aconteça só comigo. Creio que é muito maior do que imaginamos o número de pessoas que diante de tais situações raciocinam estrategicamente, criando um escudo ao desânimo e aumentando a proteção para não haver entrega de uma batalha. Por que as dificuldades fazem com que aprendamos a servir sem querermos o retorno imediato; fazem-nos perceber que é melhor sermos enganados do que enganarmos; ajudarmos em vez de precisarmos de ajuda; doarmos antes de recebermos doação; ensinarmos tudo o que já foi aprendido e estarmos abertos e humildes diante de críticas e aprendizagens alheias.

 

Quem ainda não conseguiu tirar os espinhos que trazem do passado deve fazê-lo de imediato, ainda que isso lhe cause muitas dores. Porque depois a satisfação e o orgulho serão imensos, permitindo-lhe tornar-se uma pessoa mais segura, mais confiante em suas capacidades.

 

Marcelo Ponzoni é proprietário-fundador e diretor executivo da agência Rae, MP. ([email protected])

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovas regras
Próximo artigoPão de Açúcar aposta no m-commerce