Mulheres e jovens lideram entre inadimplentes

0
4


As mulheres e os jovens lideraram o ranking de inadimplentes entre janeiro e fevereiro deste ano. Pesquisa da Telecheque ´Perfil do Inadimplente´, realizada com 836 consumidores que constam na ´lista negra do comércio´, mostra que o sexo feminino correspondeu a 52% do total, enquanto os jovens entre 21 e 30 anos chegaram a representar 42% dos inadimplentes.

Sejam mulheres, homens, jovens ou idosos, o consumidor inadimplente brasileiro apontou como principal motivo para a inadimplência o seu descontrole financeiro, que respondeu por 46% das justificativas. O empréstimo de cheques para terceiros aparece em segundo lugar, com 13% das respostas, seguido do desemprego, apontado por 9% dos consumidores entrevistados pela Telecheque.

“O consumidor brasileiro, principalmente o jovem, apesar de estar buscando controlar melhor seus gastos e manter suas dívidas em ordem, ainda tem dificuldade em se conter diante dos apelos promocionais e facilidades de pagamento ofertados pelo varejo”, explica José Antônio Praxedes Neto, vice-presidente da Telecheque.

De acordo com o levantamento, do total de endividados, 48% responderam ser solteiros e 39% afirmaram possuir um rendimento salarial na faixa de R$ 350 a R$ 1050. Durante as entrevistas, a Telecheque constatou que o valor médio das compras variou de R$ 100 a R$ 199 (28% do total) e os pagamentos à vista representaram 52% das transações realizadas no comércio.

Confecções no topo – O setor de confecções foi o universo mais atingido pela inadimplência, já que 20% dos entrevistados se endividaram com compras feitas no segmento. As mulheres, novamente, foram as maiores responsáveis pelos prejuízos, representando 64% dos inadimplentes, e praticamente metade do público endividado no setor tem idade entre 21 a 30 anos (49%) e é solteiro (54%).

“A combinação da predominante participação de jovens e mulheres em compras no setor com o grande apelo da moda é uma grande armadilha para o descontrole financeiro, principalmente em função das diversas opções de crédito neste segmento”, comenta Praxedes.