O cenário do e-commerce no Brasil

0
0

Uma nova pesquisa realizada pela Pitney Bowes Inc, intitulada “Pitney Bowes Global Online Shopping Survey”, revela que o tamanho não é tudo o que importa, quando se trata das preferências mundiais dos consumidores on-line. Foi o que anunciou Oscar Vazquez, Vice Presidente e General Manager da PBBI para a América Latina e Caribe, em visita ao Brasil. Enquanto as empresas de e-commerce internacionais compartilham algumas características, a pesquisa revela diferenças importantes entre os consumidores em muitos países. Os varejistas que pretendem expandir seus mercados de negócios on-line devem considerar os diferentes comportamentos de compras do consumidor e as preferências de cada país.
Encomendado pela Pitney Bowes, o estudo foi realizado pela ORC International que pesquisou as preferências e hábitos de compras de 10.000 adultos, em 10 países diferentes. Os consumidores foram entrevistados na Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Japão, Coréia do Sul, Reino Unido e EUA. 
“Hoje o Brasil é o terceiro mercado mais importante da Pitney Bowes Inc, vindo atrás da China e Índia. Por isso, esta semana veio ao Brasil o CEO da Companhia, Murray Martin, para conhecer de perto o potencial de negócios” comenta Vazquez. Esta visita faz parte do plano de expansão da Companhia que pretende realizar investimentos maciços no Brasil em 2012. “Já dobramos a equipe e o volume de vendas em 2011, mas isso é pouco diante do que queremos realizar aqui” finaliza Oscar. 
O e-commerce já é um hábito verdadeiramente global, de acordo com a pesquisa. Em geral, 93% dos consumidores entrevistados (91% no Brasil) compraram produtos on-line, sendo que 49% (45% no Brasil) realizaram compras nos últimos 30 dias. As taxas dos consumidores na Alemanha, Coréia do Sul e Reino Unido foram as mais altas de compras de produtos on-line (98%), seguidas de perto pelo Japão (96%). No Canadá, esta taxa cai para 82%.
A pesquisa também descobriu que os consumidores on-line querem quatro coisas básicas ao comprar produtos: preços competitivos (71%); uma ampla seleção de produtos (42%); check-out fácil e intuitivo (35%); baixos custos de transporte e de impostos (35%). Especificamente para os brasileiros, o baixo preço (59%), a praticidade e agilidade no processo de pagamento (56%) são os principais atrativos para comprarem pelo e-commerce No entanto, outras preferências do consumidor variam de país a país. 
“O e-commerce internacional está se tornando cada vez mais atraente e acessível,” disse Oscar Vazquez. “No entanto, para serem bem sucedidos, os varejistas precisam garantir uma experiência de compra on-line simples e perfeita e ter um entendimento claro dos consumidores, preferências de transporte e dos canais de comunicação em cada mercado.”
A pesquisa revelou uma visão sobre os tipos de produtos que os consumidores são mais propensos a comprar pela internet, comparando com lojas físicas. As categorias de produtos com maior percentual de preferência de compra na rede incluem livros, vídeos e música, 58% (63% no Brasil), hardware de computador e software, 41% (59% no Brasil) e produtos eletrônicos, 38% (66% no Brasil). A categoria de vestuário foi a menos popular dentre as opções, com apenas 11% dos brasileiros afirmando preferir comprar produtos do gênero em sites de e-commerce.
Os consumidores na China indicaram que eles são mais propensos a comprar vestuário (58%) e calçados (53%) pela internet do que em uma loja física. Na verdade, para quase todas as categorias incluídas na pesquisa, os entrevistados na China são mais propensos a comprar produtos on-line, com exceção de hardware de computador e software (39%) e jóias/relógios e acessórios (16%).
Quando perguntados sobre o canal de comunicação preferido para receber informações sobre novos produtos, promoções ou outras ofertas, 59% dos consumidores globais (e 72% dos brasileiros) indicam que preferem comunicações por e-mail. Vinte e cinco por cento dos entrevistados (16% no Brasil) preferem receber essas informações em catálogos ou malas-diretas, indicando que o correio é outro forte canal para varejistas on-line. Quatro por cento dos entrevistados (1% no Brasil) prefere receber informações via mensagens de texto (SMS), enquanto 5% dos brasileiros têm predileção pelas mídias sociais (Facebook e Twitter).