O comércio eletrônico entre países

0
3
O faturamento comércio eletrônico em 17 países, incluindo o Brasil, deve exceder US$ 1 trilhão, em 2014, e este valor deve dobrar nos próximos quatro anos. No Brasil, o varejo on-line registrou receitas de US$ 19 bilhões no ano passado e tem expectativa de alcançar vendas de US$ 35 bilhões em 2018, o que representa um aumento de 84,2%. Esses são alguns dos resultados do estudo encomendado pela FedEx Corp e conduzido pela Forrester Consulting sobre as prioridades e preferências dos consumidores que compram on-line de sites estrangeiros, apontando tendências do comércio eletrônico no mundo. O objetivo é entender melhor o comportamento de compra global e como as pequenas e médias empresas podem se beneficiar do comércio eletrônico. 
Ao todo, foram entrevistadas mais de nove mil pessoas, além de pequenas e médias empresas com operações internacionais. “A pesquisa da Forrester oferece uma visão profunda das prioridades e preferências dos clientes on-line globais e destaca como pequenas e médias empresas podem aproveitar melhor a oportunidade entre fronteiras”, disse Raj Subramaniam, vice-presidente executivo de marketing global da FedEx. “Conhecer as semelhanças e as diferenças culturais entre os mercados geográficos pode ajudar as empresas a ganhar vantagem no varejo on-line”. O levantamento aponta que quase 68% dos brasileiros que compram pela internet escolhem produtos dos Estados Unidos. A China aparece como segunda opção, com 63% dos pedidos vindos do Brasil. Os eletrônicos são os itens mais pedidos, juntamente com artigos de vestuário, roupas, livros e calçados.
Quando se trata de compras on-line, as principais preocupações dos consumidores globais são os custos de transporte (51%) e o prazo de entrega longo (47%). No Brasil, 52% dos entrevistados apontaram o tempo de entrega como um dos principais problemas das compras on-line, tendo em vista sua experiência pessoal. Na América Latina, as maiores preocupações dos compradores on-line, mesmo entre os que nunca enfrentaram problemas do gênero, são a segurança da transação (50%) e a possibilidade de os produtos chegarem danificados (50%). 
A pesquisa revela, também, que o mercado internacional oferece oportunidade para as pequenas e médias empresas expandirem seus negócios. Para atuarem internacionalmente, as PMEs precisam se diferenciar, oferecendo mercadorias singulares e serviço de alto padrão. “A FedEx tem auxiliado pequenos e médios empresários a realizar o sonho de fazer negócios internacionalmente. Nossa rede conecta 220 países e territórios e oferecemos serviços adequados para os empreendedores que pretendem exportar”, diz Mike Murkowski, vice-presidente sênior de operações da FedEx Express na América Latina.
Dos entrevistados, 82% afirmaram comprar on-line de empresas situadas fora de seu país de residência. Esse índice varia minimamente entre as regiões. A maior taxa foi a dos canadenses, com 90%. Enquanto, a menor foi a dos japoneses, com 59%. Em todo o mundo, os consumidores disseram gastar, em média, aproximadamente US$ 300 ao ano em compras internacionais. Os principais destinos dos compradores on-line são: Estados Unidos, China e Reino Unido. Além disso, os consumidores preferem fazer negócio com grandes e conceituados varejistas multimarcas e grandes mercados virtuais globais, a maioria elegeu grandes lojas multimarcas ou mercados on-line como sua primeira opção entre cinco outros tipos de empresas para suas compras internacionais. 
Tarifas e impostos de importação restringem a atividade internacional. Embora os custos de remessa e o prazo de entrega sejam as preocupações mais citadas pelos compradores, 35% dos pesquisados no mundo todo disseram se preocupar com as altas tarifas/impostos de importação ao comprar fora do país. Os números mais significativos vêm do Canadá (62% dos canadenses acreditam que as tarifas e impostos de importação são um problema – o maior percentual entre todos os países). Em segundo lugar, empatados, estão Alemanha e Brasil, com 48%. Dos respondentes globais, 56% aumentariam seu volume de compras internacionais de 26% a 75% se as compras abaixo de 200 dólares fossem isentas de impostos. 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorThomas Cook migra WFM para nuvem
Próximo artigoNutry lança site