O efeito do comércio conectado

0
17
Autor: Rob Nugent
A proliferação do digital, não apenas como tecnologia, mas como economia comercial conectada, teve um efeito profundo e inesperado em todo o supply chain. Todos esperavam que a tecnologia digital tornasse o comércio conectado mais rápido e eficiente, mas poucas pessoas anteciparam as complexidades adicionais de gerenciamento de inventário que foram criadas.
O comércio conectado afetou as mudanças em todos os escalões do gerenciamento de ativos de inventário. A capacidade de fazer compras em qualquer lugar a qualquer momento – combinada com opções de atendimento de pedido de clientes, como comprar on-line, buscar na loja – criou novas oportunidades para as marcas, levando ao rejuvenescimento da loja. Como resultado da evolução do comércio conectado, juntamente com o aumento exponencial de eventos promocionais, o varejista moderno está causando estragos nos atacadistas. Há um foco maior em atender às demandas dos clientes, e os atacadistas agora precisam adotar um novo conjunto de recursos para cumprir seu papel de entrega na cadeia de valor do cliente.
Neste artigo, examinaremos mais de perto o efeito do comércio conectado nos atacadistas e por que eles precisam desenvolver uma estratégia de otimização de inventário centrada no cliente para melhorar os níveis de serviço para seus principais clientes.
A mudança inevitável
O termo “otimização de inventário centrada no cliente” pode parecer nebuloso para os atacadistas, mas a otimização de inventário é predominante entre sua base de clientes. Os varejistas vêm aproveitando a tecnologia para ajustar seu gerenciamento de inventário há vários anos. E a ciência da tecnologia de otimização melhorou nos últimos anos. Como resultado, a solução omni inventory optimization foi o ponto central da revolução da loja de varejo, contrariando o “Efeito da Amazon”. Os varejistas estão usando previsão de demanda de ponta e otimização de estoque para melhorar a precisão e localizar acuradamente produtos nas lojas para oferecer a melhor experiência ao usuário final – enquanto também orquestram o estoque para maximizar a lucratividade. Essas soluções utilizam ciência de dados avançada em machine learning e inteligência artificial para equilibrar eficientemente o estoque com a demanda, independentemente do canal. 
Os atacadistas estão no limiar de sua jornada de otimização. Muitos implementaram estratégias para gerenciar níveis de serviço – segmentação de inventário – para dar suporte aos novos modelos de negócios dos principais clientes, mas essas estratégias não são suficientes. O ritmo acelerado de mudança requer uma abordagem mais sofisticada nas redes de distribuição para gerenciar a execução da cadeia de valor do cliente e atender à demanda, sem ter muito ou pouco estoque.
Os atacadistas devem implementar uma solução estratégica de gerenciamento de estoque para facilitar o reabastecimento para seus principais clientes. Em poucas palavras, essa é uma abordagem centrada no cliente para o gerenciamento de clientes-chave. É a capacidade de um atacadista antecipar acuradamente a imprevisibilidade dos canais de vendas dos principais clientes, desenvolver estratégias de reabastecimento e prever com precisão a demanda – mesmo quando é impulsionado por eventos promocionais proliferados. Isso oferece aos atacadistas a capacidade de orquestrar os níveis de serviço de reabastecimento centrados no cliente e executá-lo sem problemas, mantendo o custo de estoque baixo.
Nos últimos anos, houve um aumento no interesse por fornecedores com uma rede de gerenciamento de inventário interconectada mais sofisticada. Os varejistas e outros clientes atacadistas estão otimizando seus modelos de distribuição e atendimento de pedido de clientes para se alinharem com os comportamentos de demanda e compra de seus consumidores.
Os executivos do Walmart recentemente delinearam os planos da empresa para diminuir os ciclos de demanda, suprimento e reabastecimento. Para manter o inventário baixo e as prateleiras estocadas em sua batalha com a Amazon, o Walmart aumentou as expectativas em relação aos seus fornecedores. Agora, a empresa penalizará os fornecedores por entregas perdidas; eles terão que entregar pedidos completos dentro de um prazo  específico 85% das vezes ou enfrentar uma multa de 3% do custo de mercadorias atrasadas.
Especialistas do setor acreditam que a estratégia do Walmart é centrada na otimização. O Walmart deseja fazer pedidos com mais frequência, mas em quantidades menores para equilibrar o inventário disponível contra  falta de estoque.
Para equilibrar a demanda, o fornecimento e o reabastecimento no ambiente de comércio conectado, onde os pedidos dos clientes são conduzidos por vários canais, uma abordagem centrada no cliente oferece aos atacadistas uma maneira totalmente nova de prever a demanda do cliente e/ou SKU (Unidade de Manutenção de Estoque). O atacadista obtém insights sobre dados críticos que os ajudam a isolar, identificar e analisar os padrões de pedidos com maior impacto no inventário para planejar proativamente sua estratégia de reabastecimento. 
O varejo mudou e agora o atacado deve fazer o mesmo.
Rob Nugent é especialista em gerenciamento de marketing de produto na Manhattan Associates.