O fim dos papéis nos hospitais…

0
12


Com o propósito de lançar uma ferramenta para melhorar a gestão dos hospitais, agregando maior segurança na manipulação das informações dos pacientes, reduzindo custos de armazenagem e aumentando a produtividade dos profissionais de saúde, a MV Sistemas anuncia um novo MV PEP – Prontuário Eletrônico do Paciente. A solução passa agora a contar com certificação digital, smart card (cartão com chip de informações) e biometria (identificação através de impressões digitais).

Para as instituições de saúde usuárias do prontuário eletrônico, este lançamento representa um grande avanço. O sistema está em conformidade com as normas de segurança exigidas pela SBIS (Sociedade Brasileira de Informática em Saúde) e CFM (Conselho Federal de Medicina), o que permite às instituições de saúde armazenar o histórico dos pacientes apenas de forma digital, eliminando a necessidade de se manter volumosos arquivos em papéis.

A questão da viabilidade do prontuário eletrônico do paciente (PEP) vem sendo discutida no Brasil há anos. Mas foi somente em 2004, que a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS) e o Conselho Federal de Medicina (CFM) lançaram um manual estabelecendo os critérios para que um prontuário eletrônico pudesse ser considerado seguro e com validade legal. Tudo isso porque a legislação brasileira define que os prontuários dos pacientes em papel devem ser arquivados por 20 anos, exigindo assim que sejam mantidas estruturas muito onerosas de pessoal, controle e espaço físico. Com a evolução da tecnologia da informação, porém, passou a fazer sentido que essas informações fossem armazenadas apenas eletronicamente.

“Quando falamos em prontuário eletrônico, é necessário utilizar padrões de segurança de armazenamento, recuperação e autenticação que garantam a veracidade e disponibilidade dos documentos, quando solicitados pelo paciente, por um médico ou pela justiça. Além disso, o prontuário eletrônico elimina o problema da falta de padronização dos documentos e da legibilidade de quem os escreveu. Este sistema automatizado e integrado também agiliza o trabalho do médico, reduzindo em 50% o tempo de preenchimento de documentos”, explica Paulo Magnus, presidente da MV Sistemas.

Alguns clientes da MV Sistemas já estão interessados na adoção desta tecnologia, notadamente os que já dispõem do prontuário eletrônico implantado em todos os setores do hospital. Dentre os que planejam implementar a solução nos próximos meses encontram-se o CRER (Centro de Reabilitação Dr. Henrique Santillo), de Goiás; o CIAS (Centro Integrado de Atenção à Saúde), da Unimed Vitória, do Espírito Santo; e o Biocor Instituto, de Belo Horizonte. “A MV Sistemas espera implantar esta solução em 12 hospitais nos próximos 12 meses”, prevê Magnus.

Outra novidade do MVPEP é o painel de informações que permite o acompanhamento do estado clínico dos pacientes internados no hospital, inclusive externamente, via web. Através do painel de informações, o médico consegue visualizar todos os dados de forma cronológica, informações temporais dos principais procedimentos e medicamentos ministrados, balanços hídricos, sinais vitais, resultados de exames de laboratórios e diagnóstico e ainda informações sobre exames e radiografias.