Otimismo do consumidor bate recorde

0
1



Indicador da CNI atinge 117,2 pontos, maior nível desde que a série foi iniciada em 2001
O otimismo do consumidor brasileiro bateu recorde ao atingir, em dezembro, o maior nível da série histórica da pesquisa Índice Nacional de Expectativa   do   Consumidor  (INEC), divulgada pela Confederação  Nacional  da  Indústria (CNI). Elaborada a partir de 2.002 entrevistas em 143 municípios, a pesquisa mostrou que o INEC superou os níveis pré-crise, ao subir 1,5% ante o trimestre anterior, a terceira alta consecutiva no ano. O indicador atingiu 117,2 pontos, o maior nível desde 2001, quando a série foi iniciada.

 

São duas as explicações para o comportamento do índice. “De uma forma geral, o INEC cresce em dezembro, porque reflete o otimismo das pessoas com o ano que está por começar”, explicou Renato da Fonseca, gerente-executivo de pesquisa, avaliação e desenvolvimento da CNI. Além disso, complementou, o maior otimismo também vem do fato de os efeitos da crise terem sido menos intensos do que o esperado.

 

O INEC é composto de seis variáveis. Nesta edição, o índice subiu porque três delas tiveram altas mais fortes do que as três que registraram queda. As expectativas com a renda pessoal, situação financeira e intenção de compras de bens de maior valor foram as que levaram o INEC a crescer. Na outra ponta, o endividamento e as expectativas de inflação e de desemprego tiveram piora nos índices, impedindo que o INEC subisse mais.

 

A expectativa com a renda pessoal foi o ponto alto da pesquisa, destacou Renato da Fonseca. Esse indicador subiu 5,1% ante o terceiro trimestre, de 113,8 pontos para 119,6 pontos e atingiu o maior nível desde o início da série histórica. “Parte do otimismo vem do fato de a crise não ter tido efeitos tão graves quanto o esperado, sobretudo para quem trabalha em outros setores que não a indústria”, afirmou.

 

O consumidor que respondeu a pesquisa também apontou para uma melhora da situação financeira. O indicador passou de 114,5 pontos no terceiro trimestre para 117,4 pontos no quarto, uma alta de 2,5%. Esses dois aumentos combinados justificam o crescimento da intenção de compras de bens de maior valor. Esse indicador subiu 4,5%, de 112,1 pontos no terceiro trimestre para 117,1 pontos no quarto.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovidade na XPTA
Próximo artigoBoticário celebra Natal com clientes