Otimismo do latino-americano em queda

0
2
A região da América Latina vive um cenário complicado atualmente: a projeção de crescimento para este ano é menor do que no ano anterior (2,5% vs 2,7% em 2013), o que reflete uma queda significativa no otimismo para os latinos, tanto na situação do país como na área pessoal. É o que mostra o estudo Consumer Watch 2014: Termômetro do Consumidor, realizado pela consultoria Kantar Worldpanel. A pesquisa foi feita com mais de 10.250 lares, nas principais cidades da América Latina, e apresenta um diagnóstico sobre as expectativas e tendências dos consumidores.  
 
Com relação à situação dos países, houve uma queda em média de 11 pontos percentuais na região em comparação ao ano passado. Dos latino-americanos, 47% estão otimistas com relação a situação do país em 2014, mesmo índice observado em 2008, ano de pré-crise. No ano de 2013 este número era de 58%. Os países que registraram maiores quedas foram: Argentina (-28pts), México (-22pts) e Brasil (-13pts). Em contrapartida, há consumidores que demonstraram maior otimismo em relação a seus países, tal como o Chile, que teve um aumento de 11 pontos. “Observamos que em todos os níveis sociais do Chile se mantiveram mais otimistas sobre a situação do país e pessoal, em comparação com os demais países da América Latina”, salienta Sonia Bueno, CEO da Kantar Worldpanel América Latina. 
Isso impacta também o nível de confiança dos latinos, que confiam mais nas pessoas que estão mais próximas a eles. No Brasil, a família é campeã, com 85% de confiança, os amigos vêm em seguida com 35%, logo após as instituições religiosas com 34%, 21% a igreja católica e 18% os meios de comunicação. Quando questionados sobre suas principais preocupações, foi possível identificar que 64% dos brasileiros estão preocupados com a insegurança e violência do país, seguido de saúde com 49% e 42% com aumento dos preços e a inflação. Um ponto que chamou a atenção é que o latino-americano está mais aflito com a crise mundial do que com o aquecimento global. Este ficou na 5º colocação na região, sendo ultrapassado pela crise, que ficou em 4º lugar na região. 
O levantamento mostra também que todas as classes sociais brasileiras sofreram com alguma situação que afeta o bolso nos últimos 3 meses. Cerca de 68% sentiram aumento nos preços, 36% observaram a diminuição de entrada de dinheiro no domicilio, 29% tiveram que fazer corte de gastos com diversão e 28% têm alguém que perdeu o emprego na família, sendo a classe C a mais prejudicada. Mais lares também estão com algum tipo de dívida a pagar. O estudo aponta que atualmente 58% dos brasileiros estão endividados, sendo que a compra de eletrodomésticos é responsável por 25% das dívidas, compra de veículos fica em segundo lugar, com 14%, a educação tem uma parcela de 13% e 9% da dívida se dá com a compra de alimentos e bebidas. 
 
Em toda América Latina, o país que registrou maior índice de endividamento foi a Argentina, com um aumento de 19 pontos, chegando a 57% em 2013. As principais razões das dívidas no país também são com a compra de eletrodomésticos (29%) e com a compra de alimentos e bebidas (18%). Apesar de endividados, os brasileiros se preocupam com o seu futuro e moradia, 29% pretendem economizar para ter uma reserva no futuro, porém, entre eles, 9 % planejam criar alguma dívida com diversão/viagem.  
 
“Estamos enfrentando um cenário econômico mais complicado na região, o que impacta diretamente o bolso e o ânimo dos nossos consumidores. Os consumidores agora visam o curto prazo e as coisas mais próximas a eles, tanto com suas preocupações como com temas que lhes dão confiança. Os níveis sociais mais baixos são os mais impactados e precisam fazer cortes para entrar tudo no orçamento. É agora que precisamos estar mais próximos deles, já que desta maneira podemos detectar as mudanças que precisam fazer para poder enfrentar este panorama”, explica Sonia.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorComo PMEs podem melhorar atuação na web?
Próximo artigoO lado positivo