Outsourcing no Brasil deve chegar a US$ 3,3 bi

0
0
A Frost & Sullivan, empresa internacional de consultoria e inteligência de mercado, acredita que as empresas brasileiras estão cada vez mais adotando serviços de terceirização de TI complexos e completos. O setor brasileiro de serviços de outsourcing de infra-estrutura de TI gerou, segundo estudo da consultoria, receita de US$ 1,1 bilhão em 2006 e estima chegar a US$ 3,3 bilhões em 2012. Essa expansão decorre das vantagens desse modelo de negócio, que vão além da simples redução de custos operacionais. Outro fator que estimula esse mercado é a intensa movimentação das médias empresas, que têm se tornado alvo das provedoras de terceirização, principalmente com a adoção de serviços como co-location e hospedagem partilhada e dedicada.
 
Além disso, a introdução das redes de comunicação aberta e a perspectiva de administrar e manter remotamente elementos e aplicações estão contribuindo para o crescimento dos mercados de serviços de terceirização da infra-estrutura de TI. “Obviamente, a terceirização de TI também proporciona uma redução das despesas operacionais, já que elimina a necessidade de altos investimentos iniciais em equipamentos tecnológicos e pessoal técnico qualificado, no acesso a tecnologias de ponta, entre outros”, observa Marcelo Kawanami, analistas de pesquisas da Frost & Sullivan.
 
Este cenário está gerando receitas substanciais ao mercado, já que os clientes têm tido expectativas mais elevadas e exigem resultados substanciais de seus projetos, em termos de eficiência e redução de custos. Porém, convencer um potencial cliente a confiar em uma provedora terceirizada para que cuide de informações internas vitais e confidenciais é um dos maiores desafios que as provedoras de serviços têm de enfrentar.
 
Ao contratar uma fornecedora de serviços de terceirização da infra-estrutura, os clientes levam em consideração principalmente a qualidade dos serviços, a capacidade de cumprir os acordos de nível de serviço (SLAs) contratados, a confiabilidade e os casos de sucesso no mercado. Por isso, as principais provedoras do mercado estão procurando melhorar seus serviços, no esforço de obter contratos robustos e completos. “A concorrência nesse mercado cresceu devido à presença de muitos participantes com carteiras de serviços diversificadas”, explica Kawanami. “Assim, as empresas de terceirização de TI buscam obter contratos completos de ponta a ponta, combinando serviços com margem alta para superar a deflação de preços do mercado”.
 
No lado da demanda, os setores financeiro, de telecomunicações e governamental estão mais avançados na terceirização de seus serviços de TI. Porém, nos próximos anos, devido às regulamentações, esses setores devem adotar novas soluções de outsourcing. Da mesma forma, outros grandes mercados verticais como o de varejo e de empresas de seguro saúde também tendem a ser clientes importantes desse segmento.
 
“Na medida em que serviços básicos como co-location e hospedagem se tornem comoditizados, os serviços de administração de redes provavelmente continuarão a captar clientes, juntamente com o crescimento gradual da adoção de serviços de armazenamento, disaster recovery e business continuity, especialmente entre as companhias com processos mais críticos”, finaliza Kawanami.