Páscoa deve aquecer varejo

0
3



Nesta Páscoa, 58% dos empresários de varejo esperam aumento no faturamento do negócio, em relação à mesma data de 2009. A pesquisa foi realizada pela Serasa Experian, de 22 a 26 de fevereiro com 1.010 executivos de todo o país, e traz números que revelam a expectativa pela melhor Páscoa desde 2006, um recorde desde o início da pesquisa. Os que acreditam que o faturamento será igual são 32%, e 10% acham que cairá.

 

As mais otimistas são as grandes empresas do varejo. Aproximadamente 88% delas acreditam que o faturamento crescerá em relação ao ano passado. O otimismo é um pouco menor entre as médias e as pequenas empresas, entre as quais o percentual cai para 68% e 55%, respectivamente. Dentre as últimas, 34% acreditam que o faturamento estará no mesmo nível do registrado na Páscoa 2009, e 11% apostam em recuo.

 

Neste ano, o crescimento médio esperado para o faturamento é de 9,3% e, na visão dos que esperam queda, o decréscimo médio será de 8,7%. Levando-se em consideração as parcelas do empresariado que acreditam em elevação (58%), estabilidade (32%) e queda (10%) no faturamento da Páscoa de 2010, isso significa que os empresários esperam um crescimento de 4,5% no faturamento da Páscoa deste ano em relação à de 2009, na média ponderada.

 

Na análise regional, os empresários do Sul (63%) são os mais otimistas no que diz respeito à elevação do faturamento na Páscoa. Na sequência estão as regiões Norte e Nordeste, com 61% cada, e, também empatados, o Centro-Oeste e o Sudeste, com 55%.

 

Forma de pagamento

Os empresários estão igualmente divididos entre os que acham que as vendas serão realizadas à vista ou em parcelas, com 50% para cada lado. De acordo com os executivos que responderam à pesquisa, as vendas à vista nesta Páscoa serão divididas entre pagamentos em dinheiro (40%), cartão de crédito (23%), cheque (18%), cartão de débito (17%), cartão de loja (2%) e outros (1%). Em relação à Páscoa 2009, ganharam espaço as vendas com cartões de crédito e de débito.

 

Já entre as vendas parceladas, os empresários acreditam que os meios mais utilizados serão: cartão de crédito (40%), cheque pré-datado (33%), financiamento ou crediário (18%), cartão de débito parcelado (3%), cartão da própria loja parcelado (3%) e outros (3%). Em relação à Páscoa 2009, ganharam espaço as vendas financiadas por cartão de crédito.