Potencial da Internet das Coisas no futuro

0
2
A estimativa é que, até 2020, haverá 50 bilhões de dispositivos conectados à Internet, sendo que hoje são 15 milhões, o que, com certeza , trará um impacto para os negócios, como aponta o novo Relatório de Tendências com foco na Internet das Coisas (IoT, em inglês), feito pela DHL e a Cisco. A DHL e a Cisco Consulting Services também estão colaborando em um projeto conjunto de inovação da IoT que irá melhorar a tomada de decisões em operações de armazéns, por meio de análises de dados praticamente em tempo real, com base em dispositivos conectados via tecnologia Wi-Fi.
O valor em jogo, uma combinação do aumento de receitas e da redução de custos que são gerados ou que irão migrar entre empresas e indústrias quando as novas conexões forem estabelecidas, revela um enorme potencial quando a internet e as redes expandirem suas conexões aos armazéns, ao transporte de cargas e a outros elementos da cadeia de abastecimento. Para qualquer organização com operações logísticas ou da cadeia de abastecimento, a IoT terá consequências revolucionárias. De acordo com a análise econômica da Cisco, a IoT irá gerar um montante de US$ 8 trilhões em todo o mundo em valor movimentado ao longo da próxima década, que será proveniente de cinco impulsionadores principais: inovação e receitas (US$ 2,1 trilhões); utilização de ativos (US$ 2,1 trilhões); cadeia de abastecimento e logística (US$ 1,9 trilhão); aprimoramento da produtividade dos funcionários (US$ 1,2 trilhão); e experiência mais avançada aos clientes e cidadãos (US$ 700 bilhões).
“Interferências digitais estão por todos os lados e causam grandes impactos aos negócios. A digitalização e a expansão da Internet das Coisas é um catalisador do crescimento, impulsionando novos modelos econômicos e permitindo que as organizações se mantenham competitivas e acompanhem o ritmo das mudanças que estão acontecendo em todo o mundo. Este relatório demonstra claramente que a digitalização e a IoT irão proporcionar benefícios de longo prazo e oportunidades de crescimento em um amplo intervalo de setores”, comentou Chris Dedicoat, presidente da Cisco pelas regiões EMEAR.
A pesquisa ainda mostra que, ao longo da próxima década, o setor de logística pode alavancar níveis mais elevados de eficiência operacional na medida em que a IoT conecta em tempo real os milhões de embarques que são deslocados, rastreados e acondicionados todos os dias. No setor de armazenagem, paletes e itens conectados serão um impulsionador importante para uma gestão de estoque mais inteligente. No transporte de cargas, o monitoramento e o rastreamento de mercadorias tornam-se mais rápidos, mais precisos, preditivos e seguros. Por fim, conectar o pessoal responsável pela entrega aos veículos e pessoas que se encontram nos arredores pode se tornar uma forma de capitalizar e otimizar a viagem de volta, aprimorando a eficiência e o serviço prestado no trecho final da entrega. Para os clientes, isso significa que será fornecido um serviço ainda mais rápido, confiável e com um custo mais baixo.
“A Internet das Coisas é a conexão à web de praticamente qualquer coisa – desde pacotes até pessoas – por meio de tecnologias de sensores, e a Cisco e a DHL acreditam que isso irá revolucionar os processos de negócios em toda a cadeia de valor, incluindo a cadeia de abastecimento e logística. Para obter o benefício econômico global máximo, vamos precisar entender de que forma todos os componentes da cadeia de valor convergem, e isso vai exigir uma ampla colaboração e participação, além da disposição para investir e criar um ecossistema próspero de IoT para processos de negócios sustentáveis. O novo Relatório de Tendências é mais uma etapa no sentido de garantir que a DHL seja capaz de entregar os benefícios da IoT para nossos clientes”, disse Markus Kückelhaus, vice-presidente de inovação e pesquisa de tendências da divisão de soluções para clientes e inovação da DHL.