Procon-SP prevê melhora na telefonia móvel

0
0



A determinação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) por suspender as vendas dos chips das operadoras de telefonia móvel Tim, Oi e Claro deve colaborar para a melhora do serviço prestado ao consumidor, como avalia o diretor executivo da Fundação Procon-SP, Paulo Arthur Góes. “Situações como a que estamos vivendo exigem medidas mais severas. Essa é a missão da agência reguladora”, analisa. “Trata-se de medida de fundamental importância para o consumidor, que viu o veloz crescimento desse mercado, que não foi acompanhado da melhoria da prestação do serviço. O papel da agência reguladora é assegurar infraestrutura eficiente nas telecomunicações, para que o setor seja capaz de oferecer serviços adequados sem falhas”, complementa.

 

No primeiro semestre de 2012, o Procon-SP recebeu 12.215 queixas sobre telefonia móvel, número maior que o atendimento registrado no mesmo período do ano passado, de 9.402 queixas. De 1º de janeiro a 14 de junho deste ano, o ranking das empresas do setor que mais geraram demandas ao órgão estadual de defesa do consumidor tinha em primeiro lugar a Claro (1.984 reclamações), seguida pela Tim (1.385), Oi (996), Vivo (842) e Nextel (506).

 

Em pouco mais de um ano e meio, o Procon-SP autuou empresas do setor em mais de R$ 37 mi, principalmente por não oferecer um serviço adequado no SAC. “O consumidor traz a queixa até aqui depois de anotar vários números de protocolo, sem conseguir resolver seu problema”, explica. As empresas de foram convocadas para apresentar um “Plano de Metas” ao Procon-SP, com o objetivo de reduzir o número de queixas do consumidor. A Tim se comprometeu em reduzir em solucionar 75% dos casos contra os 74% que consegue resolver hoje. A proposta da Oi, foi alcançar solução de 75% dos casos registrados pelos consumidores, contra os atuais 72% casos resolvidos. E a Claro não apresentou planos para diminuir as reclamações, mas garante que solucionará 84% dos casos, contra os 83% que são resolvidos quando intermediados pelo Procon-SP.