Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Qual uso de roupas esportivas no Brasil?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Quando o consumidor brasileiro vai às compras para adquirir itens de moda esportiva, conforto e qualidade aparecem como pontos mais relevantes no momento da escolha, com cerca de 69% e 55%, respectivamente. Resultado este que foi obtido por uma pesquisa encomendada pela Invista, empresa detentora da marca Lycra. “Identificamos que um terço da população brasileira desempenha algum tipo de atividade física, e isso só reforça que nós da Lycra estamos no caminho certo, com foco em pesquisa e em inovação constantes. Foram anos de desenvolvimento para alcançarmos a tecnologia Lycra Sport, que alia compressão com conforto, facilitando a prática de esportes”, afirma Silvana Eva, gerente de produto da linha de active wear da Lycra no Brasil.
Dentro do universo dos brasileiros que praticam exercícios, 80% usam roupas esportivas para sua finalidade principal. Já 48% também as usam para ficar em casa e em atividades de lazer. Aspectos como preço, durabilidade, caimento, performance e respirabilidade também são valorizados no ato da compra. Ao analisar o quanto os usuários costumam investir nas suas roupas esportivas, quase metade (47%) gasta entre R$21 a R$80. Porém, a média de gasto pode chegar a R$92 por peça. Sendo homens, mais jovens de classes mais altas, nas regiões Sudeste e Nordeste os que mais gastam.  
Além disso, o uso de artigos esportivos é mais comum entre os mais jovens e nas classes sociais mais elevadas. O Nordeste é onde menos se costuma usar esse tipo de roupa (21%). Por outro lado, a região é onde também mais se usa a roupa para usa finalidade principal. Já a frequência de uso de roupas esportivas é relativamente alta: uma vez a cada dois dias. Sendo maior entre mulheres, mais jovens, classes mais altas, nas regiões Norte/Centro-Oeste e Sul do país. E, dos entrevistados, 41% disseram que sempre ou quase sempre checam informações técnicas das peças, sendo a procura por esses dados maior no Sul e entre as classes mais altas. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima