Quando falar “não” para seu chefe (ou cliente)

0
19
Autor: Alexandre Prates
Você dedica um tempo incrível para estruturar um trabalho: pesquisa, discute, estuda, debruça horas sobre o projeto e, com um grande sentimento de dever cumprido, olha para o material finalizado, cheio de orgulho. Ao apresentá-lo para seu chefe (ou cliente), vê que ele, após um olhar rápido, impreciso, sem o completo embasamento necessário, desqualifica o projeto e pede, levando em conta a sua visão equivocada, para que seja reformulado. Com o coração acelerado, a garganta seca, a cabeça fervendo, você está diante de três diferentes cenários:
1) Dizer “sim” e admitir que estava errado;
2) Dizer “sim” e descobrir que estava certo”;
3) Dizer “não” e assumir os riscos.
Cenário exposto, corda no pescoço, o questionamento é inevitável: qual decisão tomar? Neste momento, somente essas duas palavras resolvem a situação: sim ou não.
O “sim” se apresenta mais fácil, menos arriscado, com menor responsabilidade, menos dor de cabeça, menos discussões, bastando um simples: “Sim, vou mudar o projeto!”. Mas não se engane, não é tão simples assim. Antes de dizer um “sim”, você precisa se perguntar: mudar o projeto realmente é a melhor opção? A visão apresentada é coerente? Se a ideia for melhor, mesmo que diferente da sua, o melhor a fazer é deixar o ego de lado e aceitar. Afinal, a teimosia só é válida quando o resultado dela é positivo. Agora, se a opinião alheia for equivocada, conforme exemplo acima, dizer um “sim” também é prejudicial, pois, diante do resultado negativo, não adianta dizer: “Eu avisei!”, pois você ouvirá: “Foi você que não me convenceu. Aprenda a vender melhor as suas ideias!”.
É por isso que você precisa ter a coragem de dizer “não!”. Um “não” repleto de embasamento é bonito de ver. Demonstra confiança e te enriquece de credibilidade. Se você está certo do que está fazendo, diga “não”, mas complemente com uma frase mágica: “Confie em mim!”. Poucos profissionais têm essa coragem de trazer a responsabilidade para si e por um motivo muito simples: falta de embasamento!
A cada dia vejo ideias apresentadas de maneira superficial, sem envolvimento, sem aquele mergulho essencial para ver o que está além de uma simples ação proposta. Toda ação gera consequências e quem tem a capacidade de avaliar o impacto a curto, médio e longo prazo naturalmente ouve mais “sim” do que “não” sobre seus projetos.
Essa é a competência tão desejada pelas organizações: pensar global e agir local. Olhar todo o cenário e executá-lo com maestria e eficácia. E essa competência, quando somada à coragem, torna um profissional imbatível.
Portanto, diga “não” quando tiver que dizer “não”. É uma questão de preparo e coragem!
Sucesso!
Alexandre Prates é sócio-fundador do ICA (Instituto de Coaching Aplicado) e sócio do Grupo Alquimia.