Sebrae anuncia novas metas

0
2

O Sebrae vai fazer uma revolução no seus serviço de atendimento aos empreendedores das micro e pequenas empresas, segundo informaram integrantes da nova diretoria da instituição, em entrevista coletiva à imprensa nesta terça-feira (18), em Brasília, segundo a Agência Sebrae. O anuncio foi feito durante a posse de Paulo Okamotto (diretor-presidente), Luiz Carlos Barboza (diretor-técnico) e César Acosta Rech (diretor de Administração e Finanças), além do presidente do Conselho Deliberativo Nacional da instituição, Armando Monteiro.

De acordo com Paulo Okamotto, o objetivo principal é reduzir a elevada taxa de mortalidade do segmento. “A única forma de as pessoas não terem suas empresas encerradas é, ao abri-las, ter de antemão todas as informações e orientações necessárias sobre os problemas que podem afetar o seu negócio”, disse, incluindo entre essas informações desde questões relacionadas a capital de giro e trabalhistas a maneiras que possam tornar os pequenos negócios mais ´saudáveis e duradouros´.

Segundo o diretor-presidente, essa revolução no atendimento será uma das prioridades da instituição que, neste biênio 2005/2006, irá consolidar as ações desenvolvidas nos últimos dois anos, dentre elas ações de apoio a empreendimentos coletivos, a exemplo dos Arranjos Produtivos Locais (APLs).

O diretor Luiz Carlos Barboza, também destacou a melhoria e ampliação do sistema de atendimento, tanto de forma física quanto por outros meios, como telefone e internet. Segundo explicou, a revolução nesta área se dará “tanto do ponto de vista da quantidade de pessoas que poderão ter acesso às informações que existem no Sebrae e nos seus parceiros, quanto da qualidade da informação prestada”.

Ele também destacou ações voltadas para concretizar a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, cuja proposta de anteprojeto – elaborada pela instituição, após ouvir o segmento – está em análise pelo Governo Federal. “Vamos voltar a conversar com as entidades empresariais para ver se há uma mobilização para fazer com que o Congresso Nacional discuta esta proposta”, disse.

Na entrevista, o presidente do Conselho Deliberativo Nacional da instituição, Armando Monteiro, citou dois principais desafios desta gestão: consolidar o modelo de Gestão Orientada para Resultados e, no plano externo, “promover uma ampla articulação com todo o sistema empresarial do País”, para tornar real a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas.