Sem calça, mas não sem celular

0
7
Os smartphones se tornaram os principais aparelhos eletrônicos dos cidadãos para busca de informações, compartilhamento da vida pessoal e uso. É 24 horas por dia, sete dias da semana. Para se ter uma ideia, 52% dos paulistanos entrevistados preferem esquecer suas calças a esquecerem seus celulares em casa. É o que revela pesquisa da Hibou, feita com 390 pessoas na cidade de São Paulo.
Veja os outros sete maiores hábitos dos paulistanos com smartphones, segundo a pesquisa:
– 84% disseram que usam seus celulares para compartilhar fotos e ideias em redes sociais;
– 83%  usam o smartphone como assistente pessoal para todas as horas;
– 78% utilizam para ver informações que precisam;
– 66% buscam regularmente aplicativos;
– 66% utilizam como ferramenta de trabalho
– 65% sempre tentam expor e comentar pontos de vista em sites e aplicativos;
– 62% acessam arquivos de documentos e afins pelo próprio celular;
Das fontes ouvidas, 41% que possuem um smartphone têm renda de até 4 salários mínimos, 44% têm renda entre 4 e 10 salários mínimos, 13% possuem renda entre 10 e 15 salários mínimos e apenas 2% têm renda maior que 15 salários mínimos. “Pela faixa de renda dos entrevistados, podemos observar que os aparelhos celulares de alta tecnologia já estão presentes em todas as classes sociais paulistanas”, comenta Lígia Mello, sócia da Hibou, e coordenadora da pesquisa. 
Apesar de todos os recursos disponibilizados nos aparelhos, 87% dos entrevistados utilizam primordialmente para fazer ligações empatadas com as mensagens instantâneas. Já 70% utilizam para as redes sociais. “O que nos impressionou é que mesmo com a internet e aplicativos de mensagens gratuitas, ainda 65% dos entrevistados disseram que mandam SMS com frequência”, complementa a executiva.  
Ainda assim, o uso do smartphone durante outra atividade como assistir TV já é algo comum para dois terços dos entrevistados (75%). Ao serem questionados sobre o que mais usam, 77% disseram redes sociais, 78% mensagens instantâneas, já 16% jogam assistindo TV e 3% realizam pesquisas na web. Destes, 53% responderam que estão compartilhando na internet o que estão assistindo. Já 57% ficam navegando em algo que não tem referência nenhuma com o que está sendo assistindo em sua televisão. 
 “Vimos, ainda, que apenas 17% dos entrevistados fazem algum pagamento pelo celular e o número baixo vem da desconfiança de 72% com o uso do celular para este fim” finaliza Lígia Mello.