O canal para quem respira cliente.

Sinstal repudia suspensão do Speedy

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



Mais uma entidade, representante de empresas terceirizadas que prestam serviços para a Telefônica, manifestou desagravo e preocupação com a demora da Anatel – Agência Nacional de Telecomunicações em emitir parecer sobre a liberação para venda ou manutenção do serviço de banda larga Speedy, que vem vigorando desde o dia 22 de julho, de acordo com a BR Press. O Sindicato Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços e Instaladoras de Sistemas e Redes de TV por Assinatura, Cabo, MMDS, DTH e Telecmunicações (Sinstal) publicou comunicado, ontem (17/08), repudiando a continuidade da proibição de venda do Speedy e veiculando o fato com demissões no setor.

 

“Para os trabalhadores da atividade, a continuidade da suspensão representa preocupação da Anatel somente com os aspectos técnicos, para os quais inclusive já houve solução, e descuido com os impactos sociais da medida”, diz o comunicado. Vivien Mello Suruagy, presidente do Sinstal e e vice-presidente do Sindicado das Empresas Prestadoras de Serviços de Tv por Assinatura e Telecomunicações do Estado de São Paulo (Sitesp) e vice-presidente da Federação Brasileira de Telecomunicação (Febratel), que assina o comunicado, estima que a suspensão do Speedy, somente nesta semana, seja responsável pela dispensa de cerca de cinco mil funcionários de 8 a 10 empresas que prestam serviços para a Telefônica em todo o estado de SP, além da não contratação de cerca de 1.200 técnicos especializados.

 

“Sou a favor da multa, mas a interrupção dos serviços – já reparados – tem um custo social terrível, além de impactar economicamente diversos setores”, diz Vivien. As entidades que representa já tentaram, segundo ela, um diálogo sem sucesso com a Anatel e o Ministério das Comunicações. “Este último nos deixou 15 dias esperando pela primeira resposta. O governo federal precisa honrar com o conceito da empregabilidade que diz nortear a gestão Lula”, ressalta. A Anatel não determinou prazo para deliberar sobre a volta ou não do serviço, mesmo com a Telefônica tendo divulgado que já reparou a rede e os possíveis problemas técnicos que deixaram milhares de pessoas sem internet por três dias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima