TI estratégica

0
14


Pesquisa realizada pela Brunise Informática aponta uma forte demanda por projetos em Governança em TI nas empresas. De acordo com o estudo, 66% das empresas entrevistadas já possuem projetos em Governança com apoio executivo, 9% possuem projetos sem o apoio executivo, 20% não possuem projeto e 5% não responderam.

Participaram da pesquisa 40 empresas de diversos setores (financeiro, telecom, prestação de serviços, transporte, extração, indústria e governo) que estiveram presentes no evento IV Command Center Meeting. O seminário foi realizado no fim de maio e teve esse ano como tema principal a Governança e a Excelência dos Serviços.

Dados de mercado apresentados no evento e a pesquisa realizada com os participantes são indícios de que as empresas estão se conscientizando que a TI é uma grande aliada nos processos de governança. “A Tecnologia da Informação é imperativa para se obter uma boa governança. É a hora e a vez da TI revelar seu papel estratégico para os negócios”, comenta Graça Sermoud, editora de conteúdo e apresentadora da palestra “Governança em TI e Telecom”. No seminário também foram discutidos os aspectos da Governança no mercado brasileiro, a relação da TI com a governança corporativa nas empresas e seus efeitos na cadeia produtiva (fornecedores, empresas parceiras, clientes).

Qualidade ou Excelência? – A excelência dos serviços é o grande requisito solicitado pelas normas de governança em TI e Telecom. A implementação de processos de gestão que garantam a satisfação de vários segmentos interessados nos negócios – clientes, usuários, acionistas, fornecedores e órgãos reguladores – torna-se peça-chave para a implantação da governança nas empresas.

Métricas e ferramentas de controle geralmente são apontadas como estratégias para garantir a excelência. Para Alfredo Saad, executivo de projetos da IBM Global Services que apresentou a palestra “Excelência dos Serviços em TI e Telecom”, monitorar o desempenho dos serviços prestados ainda não é o suficiente. “O monitoramento continuado dos indicadores de desempenho permite que a qualidade dos serviços de TI e Telecom prestados seja medida de forma inequívoca e eficiente, eliminando julgamentos emocionais. Entretanto, o domínio técnico de ferramentas não garante, por si só, uma prestação de serviços de alto nível”, observa Saad.

Atendimento ágil, alta disponibilidade, SLA´s cumpridos, operação eficiente, suporte adequado e melhorias contínuas são medidas que levam uma organização a garantir a qualidade dos serviços. Mas para atingir a excelência é essencial criar estratégias, como por exemplo, reduzir custos, compartilhar riscos, otimizar processos, consolidar uma infra-estrutura, alocar especialistas, manter as tecnologias sempre atualizadas e, principalmente, garantir um rápido retorno sobre o investimento. “Os objetivos do gestor de TI se voltam para os ganhos de escala e o retorno sobre o capital investido, o que representa um alinhamento aos objetivos do negócio”, comenta Elvízio Trigo Vanzo, diretor-geral da Brunise Informática.

A apresentação de cases de empresas como o ABN Amro Real, Correios e CTBC Telecom confirmaram que para a adoção das melhores práticas em Governança em TI e Telecom é necessário um projeto orientado por um plano de melhorias e investimentos que coordene as ações em curto, médio e longo prazo.