Um mercado que só cresce

0
2


Com 1,26 milhão de novas habilitações, o mês de janeiro de 2006 registrou um crescimento de 26,52% se comparado com as habilitações de janeiro de 2005 (996 mil), segundo a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Estes dados representam o maior número de adesões em janeiro desde 2000. Os dados também indicam uma inversão observada nos últimos quatro meses de 2005 que registraram número de habilitações inferiores aos respectivos meses de 2004.

O Brasil atinge, com essas novas adesões, 87,47 milhões de celulares em operação, sendo 70,66 milhões (80,78%) pré-pagos e 16,81 milhões (19,22%) pós-pagos. A região Sudeste possui 41,86 milhões de acessos em serviço, seguida pelas regiões Nordeste, com 16,01 milhões e Sul, com 15,57 milhões. O Centro Oeste e o Norte possuem 8,87 milhões e 5,16 milhões de assinantes, respectivamente.

Dos 5.564 municípios, 3.111 são atendidos pela telefonia móvel. Embora corresponda a 55,91% dos municípios brasileiros, a abrangência da cobertura atinge 88,35% da população (total Brasil: 184,19 milhões, conforme estimativas da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A prestadora Vivo permanece na liderança do mercado brasileiro de telefonia móvel, com 34,30%. A TIM mantém a segunda colocação do mercado, com 23,45%; seguida da Claro, com 21,56%; Oi (12,26%); Telemig/Amazônia Celular (5,25%); 14BrasilTelecom GSM (2,64%). A CTBC Telecom detém 0,45%, enquanto a Sercomtel Celular detém 0,09%. A tecnologia GSM continua em expansão e na liderança do mercado, com 46 milhões de acessos, ou 52,60%. A tecnologia CDMA tem 24,53 milhões (28,05%) e a TDMA, 16,78 milhões (19,18). A tecnologia analógica AMPS possui apenas 146 mil acessos (0,17%).

Com relação a teledensidade do serviço móvel no País, o resultado de janeiro manteve a tendência de crescimento – de 46,58 foi para 47,21. A teledensidade é um indicador utilizado internacionalmente e que representa o número de telefones em serviço para cada grupo de 100 habitantes. O índice cresceu 80,05% nos últimos 24 meses (era de 26,22 em janeiro de 2004).