Uma oportunidade a ser explorada na web

0
1



O Instituto de pesquisas on-line Qualibest acaba de finalizar um levantamento com internautas de todas as regiões do país para traçar o perfil dos brasileiros que acessam os mundos virtuais. A pesquisa apontou que 70% dos usuários cadastrados e 80% dos usuários ativos no Second Life tem a intenção de comprar produtos e serviços da vida real neste ambiente. Entre os produtos que as pessoas tem interesse em adquirir no mundo virtual estão livros e cds (71%), eletrônicos (65%), roupas (51%), computadores (36%) e apartamentos (18%). Além disso, 14% das pessoas que conhecem o Second Life e são interessadas em mundos virtuais acreditam que o Second Life irá crescer e gerará mais lucro para quem já começou a explorá-lo financeiramente.


A maioria dos internautas entrevistados (72%) tem alguma familiaridade com o Second Life, mas apenas 4% é usuário ativo (navega pelo menos uma vez por semana), lembrando que o Brasil já é a terceira comunidade de residentes no SL, atrás apenas dos EUA e da Alemanha.  Enquanto 28% afirma já ter entrado no Second Life (54% homens, com idade média de 29 anos), 44% dos entrevistados dizem nunca ter acessado o site e 41% desses aponta como principal motivo a falta de hábito. Entre as pessoas que conhecem o SL, 47% delas acessa outro programa de realidade virtual, sendo que 39% afirma visitar o orkut.


Esses universos virtuais representam para 22% dos entrevistados uma possibilidade de fuga da realidade, enquanto que 15% busca uma vida mais divertida e 14% espera adicionar um pouco de fantasia à sua vida. A curiosidade é o principal motivo levantado pelos internautas para entrarem no SL e 60% aponta que o que mais influenciou o acesso a este mundo virtual foram notícias em jornais, revistas e televisão tanto na mídia tradicional quanto na internet. Para 13% dos entrevistados, a lentidão e a burocracia são grandes empecilhos, já que apesar de terem começado o cadastro, 25% não terminaram e apontaram como motivo a lentidão, e 24% afirmaram que a razão foi a burocracia da inscrição.