Vendas devem cair no mês das mães

0
2
De acordo com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo, FecomercioSP, o faturamento do varejo paulista em maio, mês do Dia das Mães, deve apresentar queda de 6% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Para a assessoria técnica da entidade, a causa deve acontecer pelo cenário desfavorável ao consumo, resultado de taxas de juros elevada, desemprego, queda da rendam, pouca disposição para endividamento e aumento de restrições na oferta de crédito por parte dos bancos e financeiras.
 
Segundo os economistas da Federação, os presentes de valor mais elevado, como eletrodomésticos e eletrônicos, devem perder espaço na lista dos mais vendidos neste Dia das Mães. Dando lugar a itens mais baratos, que comprometam menos o orçamento e não exijam financiamento. As vendas do segmento de lojas de vestuário e calçados costumam ser, entre os principais setores do varejo, as mais alavancadas na data.
Para se ter uma ideia, maio normalmente responde por 10% das receitas do setor no ano, ficando atrás apenas de dezembro. Entretanto, a Federação aponta que o faturamento dessas lojas deve recuar cerca de 17% no mês na comparação com o mesmo período de 2015.
 
Presentes estão mais caros
Apesar do movimento fraco do comércio e das seguidas quedas nas vendas, muitos itens comuns nas listas de presentes para as mães apresentam elevação de preços superior à inflação média acumulada em 12 meses até março (de 9,84% na região metropolitana de são Paulo, segundo o Custo de Vida por Classe Social – CVCS da FecomercioSP). As maiores altas nos preços ficam por conta das joias (23,8%), computadores (16,2%), televisores (16,1%), bicicletas (14,6%), blusas (13,5%) e lingeries (11,7%).
 
Alternativas mais em conta
Alguns artigos que sempre marcam presença na lista de pais e filhos nesta data festiva, por outro lado, apresentaram altas de preço inferiores à inflação média. Com isso, aparecem como opções interessantes as sandálias (1,1%), os sapatos femininos (2,1%), as bolsas (6,6%), os perfumes (9%) e os artigos de maquiagem (9,5%). 
 
As bijuterias registraram queda de preços no mesmo período (-3,2%) e podem ser uma boa alternativa de compra para o consumidor, seguidas pelas flores naturais, que registraram aumento médio de preço de apenas 0,8%. 
 
Estoques altos estimulam promoções
De acordo com pesquisa da FecomercioSP, em abril, 41,6% dos empresários entrevistados disseram estar com estoque de mercadorias acima do adequado – o que significa 6,1 pontos porcentuais acima do registrado em abril do ano passado e o maior valor da série história iniciada em junho de 2011. Ou seja, apesar do conservadorismo dos empresários e da redução dos pedidos junto a fornecedores, os estoques do varejo paulistano permanecem elevados, o que, por sua vez, tende a estimular promoções e liquidações para o Dia das Mães e resultar em boas oportunidades de economia para pais e filhos.