Vivo começa bem 2008

0
1



A estratégia da Vivo de privilegiar a qualidade em todos os pontos de relacionamento com o cliente, parece que vem dando certo. Os números referentes ao primeiro trimestre de 2008, que a companhia apresenta hoje ao mercado, aponta para crescimento. “Conquistamos os índices mais altos de satisfação de clientes e colaboradores perseguindo o objetivo de ser a melhor opção em telecomunicações móveis no Brasil. E como esperávamos, a qualidade na prestação de serviços tem se refletido positivamente nos resultados financeiros e operacionais da empresa”, afirma Roberto Lima, presidente da Vivo.


O lucro líquido foi de R$ 89,6 milhões no período, um aumento de 216,6% em relação ao 4T07. Este é o terceiro trimestre consecutivo com resultado positivo. A receita líquida total atingiu R$ 3,33 bilhões no 1T08, o que representou um crescimento de 16,9% em relação ao mesmo período de 2007. Já a receita de serviços foi de R$ 3,02 bilhões, uma expansão de 15,8% em comparação com 1T07. Receita de dados e SVA’s aumentaram 47,7% na comparação com 1T07 e já representa 10,4% da receita líquida de serviços da empresa. O fluxo de caixa operacional atingiu R$ 704,6 milhões no primeiro trimestre, representando um crescimento de 35,1% em comparação com igual período do ano passado.


O EBITDA no 1T08 foi de R$ 961,2 milhões, um aumento de 27% em relação ao mesmo período do ano passado. A margem EBITDA no trimestre foi de 28,8%, representando um crescimento de 2,3 pontos percentuais em relação ao 1T07. Foi a maior margem já registrada nos últimos cinco trimestres. O EBIT (resultado operacional antes de juros e impostos) atingiu R$ 297,7 milhões, representando um crescimento de 60,1% em relação ao mesmo período de 2007. Em comparação ao 4T07, o EBIT da empresa evoluiu 59,5%. E a dívida líquida registrou o total de R$ 2,90 bilhões no 1T08, representando uma queda de 12% em relação ao 1T07.


Os custos operacionais mantêm-se sob rígido controle. Considerados somente os custos estruturais – sobre o qual há efetivo controle e independe da atividade comercial -, registra-se uma redução de mais de 16% em relação ao 1T07, contra um crescimento de aproximadamente 23% naqueles relacionados à atividade comercial.


Por fim, a base de clientes atingiu 34,320 milhões no final de março, assegurando a liderança no mercado nacional com 27,3% de participação. A aquisição do controle da Telemig Celular, concluída em 3 de abril passado, representou a incorporação de novos quatro milhões de usuários, que passam a compor uma comunidade de 38,3 milhões de clientes.