Você confia nos dados da sua empresa?

0
3



Quanto mais dados as empresas armazenam, mais complexo se torna o desafio de integrar, padronizar e gerenciar as informações desses sistemas. Se por um lado a tecnologia de Business Intelligence avança rapidamente para trazer softwares mais acessíveis e práticos para que os executivos extraiam informações realmente estratégicas para suas decisões de negócios, de outro há um extenso volume de dados semelhantes armazenados em diferentes formatos e origens que muitas vezes, por erro humano ou inconsistência semântica, põem em dúvida a sua real validade. E se a base de dados não é confiável, que resultado se pode esperar das ações que serão criadas a partir deles?


Um exemplo fácil de se perceber a importância da qualidade de dados é um mailing de endereços, em que o campo cidade pode ter sido preenchido como SP, S. Paulo, Sao Paulo e São Paulo. Veja que são quatro formas de escrever o nome da cidade de São Paulo e isso pode gerar problemas se não existir um padrão de uniformização de informações. É um caso banal, mas que mostra o tamanho do problema. Se os dados estiverem incompletos ou desatualizados, todo o esforço da ação poderá ser em vão. Imagine se pensarmos em um banco de dados com milhões de registros. Você seria capaz de assegurar que utiliza uma base realmente confiável de dados?


Se a resposta foi negativa, não se assuste. Saiba que grande parte das pessoas que usam aplicações de BI não confia totalmente nos dados utilizados. Se a sua resposta foi afirmativa, há duas possibilidades: utilizar uma base pequena de dados ou a sua empresa adotar alguma iniciativa do que o mercado vem chamando de Gerenciamento de Informações Empresariais, do inglês Enterprise Information Management (EIM). Como cada vez mais as decisões de negócios e o gerenciamento de desempenho empresarial estão sustentados pela tecnologia de Business Intelligence, essas empresas se mostram atentas à necessidade de assegurar a qualidade dos dados.


É muito freqüente os projetos de BI terem início sem uma estratégia de dados que os suportem. Criar uma base de dados confiável é o primeiro e mais importante passo, com o planejamento para reunir e conciliar dados divergentes e depois partir para a resolução de problemas pontuais neles. É o que uma estratégia de EIM faz.


O EIM combina estratégia, práticas e tecnologias que fornecem informações confiáveis, pontuais e integradas para decisões de negócios. Uma estratégia de EIM bem-sucedida deve ter apoio expressivo da empresa, com objetivos e metas bem definidos. E a visão no longo prazo deve estar alinhada com os compromissos e áreas de negócio e de TI. Sob o ponto de vista de seus componentes, o EIM não é novo. Trata-se de uma maneira coesa e estratégica de resolver os desafios do gerenciamento de informações divergentes com as tecnologias, metodologias e melhores práticas usadas na integração de dados, qualidade de dados e gerenciamento de metadados. O EIM oferece um roteiro para a criação de uma base de dados confiável para suas iniciativas de negócios e de Tecnologia da Informação.


O armazenamento de grandes volumes de dados e a complexidade da área de TI fazem com que as empresas desenvolvam infra-estruturas com informações abertas e escaláveis e que atendem as necessidades dos usuários de Business Intelligence e, neste cenário, o EIM é o alicerce. Como a pavimentação de uma estrada por onde passará o projeto de BI, porque o EIM vai permitir que as informações disponibilizadas para os gestores da empresa sejam válidas porque estão seguramente baseadas em dados confiáveis.


Outra questão importante a se observar é que uma estratégia de EIM também traz benefícios para o dia-a-dia das empresas, pois ela garante a implementação de regras que asseguram a qualidade na inclusão de novos dados, por exemplo. Mas, para isso, é fundamental a participação efetiva das áreas envolvidas: usuários, departamento de TI e gestores devem trabalhar com metas e objetivos bem definidos. Se isso existir, se as pessoas quiserem trabalhar com esta visão de levar aos usuários informações confiáveis, o EIM terá sucesso. E terá conseqüência direta nos resultados das estratégia de negócios.


Fernando Corbi é diretor geral da Business Objects no Brasil.