Clique no banner e vote na fera que te representa!
Clique no banner e vote na fera que te representa!

O canal para quem respira cliente.

À margem da crise?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Os consórcios já são uma forma de financiamento consagrada no mercado brasileiro, que agrada a muitos consumidores. Porém, com a crise econômica afetando todos os outros setores da economia, a modalidade teve um momento de destaque ainda maior. Segundo dados da Abac, Associação Brasileira das Administradoras de Consórcio, só nos primeiros 11 meses de 2015 o sistema teve alta de 13,5% em volume de crédito comercializado, em comparação com o mesmo período de 2014.

Um dos fatores que pode explicar o sucesso do setor no meio da crise é que, em momentos de recessão, consumidores tendem a buscar por formas mais conservadoras de poupar ou adquirir bens, segundo Cleber Sanguanini, gerente comercial e de marketing da Racon Consórcio. “A conjuntura econômica tende a fazer do consórcio um mecanismo de aquisição mais seguro”, responde. A alta dos juros para outras modalidades de financiamento também pode explicar o desempenho dos consórcios nesse período. “Quando os juros são muito altos no financiamento, o consórcio fica mais atrativo, porque não precisa pagar muitos encargos financeiros”, afirma João Francisco de Aguiar, professor de economia doméstica na Universidade Mackenzie.

Com isso, por ser menos oneroso, a perspectiva é de que a modalidade continue ganhando terreno em 2016. Para Rafael Boldo, gerente da Porto Seguro Consórcios, a expectativa é positiva, visto que ainda há retração do crédito, aumento de juros e demanda alta por imóveis. “Consórcio neste caso é a melhor opção, por permitir maior controle financeiro e ser isento de juros”, afirma o executivo. Dentro disso, entre os diferentes tipos, Francisco Coutinho, superintendente da Rodobens Consórcio, aposta no fortalecimento do consórcio de imóveis, já que os preços estão em queda. “Preço de imóveis caindo é muito favorável para quem tem uma cota de consórcio e poder de compra à vista. Em um momento de baixa, onde o preço do imóvel está voltando aos patamares de lá de 2011, 2010. O cliente é muito favorecido porque o seu poder de compra aumenta”, responde Coutinho.

Outro ponto que faz o setor se destacar está relacionado ao fato de que o consórcio pode ser visto como poupança, ajudando a conscientizar os consumidores. “O consorciado pode escolher o prazo e o valor da parcela de acordo com o seu perfil de investimento, além de desenvolver a disciplina para poupar, já que o consórcio pode ser como uma ´poupança forçada´, que contribui para a conscientização da importância do planejamento financeiro, não apenas em momentos de crise”, explica Luciana Precaro, diretora de vendas e marketing da Disal Consórcio.

Apesar de todo esse cenário, há riscos, é claro. Alguns desafios podem ser encontrados no caminho. Os consumidores, conscientes da elevação das taxas, diminuição de renda e aumento do desemprego, devem estar mais receosos ao pensar em projetos de longo prazo. Tanto que, para Reginaldo Gonçalves, coordenador do curso de ciências contábeis da Faculdade Santa Marcelina, o grande desafio do ano é convencer os clientes a entrarem para o sistema de consórcios, sendo que a saída é aumentar a divulgação dos benefícios da modalidade. “É popularizar e dar maior informação aos futuros consorciados com relação aos benefícios que poderão ter na realização de sonhos com o não pagamento de juros e minimizar o lado negativo que é o pagamento da taxa de administração”, pontua.

NÚMEROS DO SETOR

Imóveis e veículos são os tipos de consórcio que mais têm atraído os consumidores. Segundo pesquisa realizada pela Abac com consorciados, 64,6% estão interessados em entrar para os consórcios para adquirir imóveis e 62,5% planejam a compra de automóveis. A pesquisa também demonstra a visão do consórcio como uma forma de poupar e investir dinheiro. “Como complemento da consulta a esse universo de potenciais interessados, 52% dos entrevistados informaram ser um meio para adquirir um bem, enquanto 48% entenderam ser um bom investimento”, conta Paulo Roberto Rossi, presidente da Abac.

Qual será o maior desafio do mercado de consórcios este ano? Deixe a sua opinião na enquete do Portal Crédito e Cobrança.


Leia também as matérias exclusivas do especial:

Sucesso
com a crise?

Diferenciais do consórcio fazem com
que modalidade apresente resultados positivos

Difícil,
mas possível!

Cautela dos consumidores pode
segurar o forte crescimento do setor de consórcios

Crescendo
em meio à crise

Consórcio deve continuar em
evolução, apesar do momento de instabilidade financeira

Ano
promissor!

Consórcio Luiza aposta em
crescimento da modalidade em 2016

Desafios
e oportunidades da crise

Consórcio surge como alternativa em
meio à crise, mas administradoras precisam antes conquistar clientes

Consórcio
versus financiamento?

Com as taxas de juros subindo,
consórcios se destacam por serem menos onerosos

Pode
melhorar?

Na contramão da crise, setor de
consórcio tem crescido mesmo diante do momento de instabilidade

O que
esperar?

Apesar de confiar no crescimento,
Abac afirma que administradoras também podem sentir efeitos da crise

Ainda
mais crescimento!

Ao contrário de outros setores,
consórcios se favorecem do momento de taxas altas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

À margem da crise?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Apesar de ser jovem no mercado de varejo, o e-commerce com seus aproximadamente 20 anos não se intimidou e, com o passar dos anos, vem comprovando o seu potencial. Uma força tão grande que, inclusive, há aqueles que acreditam que no futuro, com a Internet das Coisas, possa ser que não exista outra forma de compra, senão pelo comércio eletrônico. Embora muitos já saibam do seu sucesso, nesse ano a prova também está nos números. Nem a crise foi suficiente para fazer com que sua expectativa ficasse reduzida e, ao contrário de muitos segmentos, o varejo on-line irá fechar 2015 com altas porcentagens e crescimento sobre o ano anterior. Ainda que não cresça os 20% esperado pela edição de 2014 do Webshoppers, a versão atual do relatório do E-bit já mostrou que o setor faturou, no primeiro semestre, R$18,6 bilhões. O que representa aumento nominal de 16% sobre o mesmo período do ano anterior. 

As vantagens que fazem parte do e-commerce são as explicações para todo esse desempenho, de acordo com Pedro Guasti, vice-presidente de relações institucionais da Buscapé Company, que tem integrado o E-bit, fazendo com que o setor se torne o último patamar a ser atingido pela instabilidade econômica. “Quando se fala do comércio online tem alguns fatores que continuam a ser favoráveis. Como aumento de pessoas que usam banda larga, que têm acesso à smartphones e, com isso, acesso à Internet”, comenta. Ou seja, é um local no qual o cliente se sente seguro para pesquisar e encontrar as melhores ofertas. Aliás, esse é um fato que não acontece somente aqui e tão pouco pode ser atribuído à sorte que talvez o setor esteja passando. O presidente da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, ABComm, Mauricio Salvador, conta que, em 2008, quando os Estados Unidos estava passando por sua pior crise desde 1929, o e-commerce cresceu 6%. “O favorecimento se dá principalmente devido a dois fatores: a percepção do consumidor de que comprar pela Internet é mais barato e as ações de marketing digital que são mais segmentadas e efetivas que as tradicionais”, adiciona.

No caso do Brasil, Salvador ainda adiciona um terceiro fator: a grande quantidade de novos consumidores. “Em 2015, serão quatro milhões de brasileiros que farão a primeira compra pela Internet. É um número considerável de pessoas que traz oxigênio e crescimento ao setor”, diz. De fato, se hoje o mercado online está muito mais maduro, chegando a patamares altos, muito se deve ao desenvolvimento também do próprio cliente. Enquanto, no começo, havia poucos negócios e sem nenhuma segmentação de produtos, existiam consumidores inseguros. E, pela desconfiança do sucesso da compra, adquiriam itens mais simples, como CDs, DVDs e livros. Conforme foi ganhando mais confiança, conhecendo novas lojas, os negócios também foram crescendo e se preparando mais para atendê-los. “As pessoas estão mais dispostas a comprar em lojas em que já tiveram uma boa experiência e que confiam”, comenta Thiago Flores, diretor executivo do site comparador de preço Zoom. “Houve essa mudança na percepção dos usuários, como nas empresas, que passaram a melhorar na prestação de serviço.”

Só e-commerce não conta
Não demorou muito também para as empresas perceberem que o fato de terem um e-commerce já não era mais um fator competitivo como antes. Até porque, rapidamente a quantidade de negócios que surgiram, querendo também o seu espaço nesse canal e atenção do público foi enorme. Dessa forma, restou às companhias procurarem pelo melhor aperfeiçoamento do serviço e no atendimento, já que o segmento possui a vantagem de estar mais próximo do cliente.

Não por menos, a regra de ouro da atual fase é o omni-channel. Mais uma vez, as pessoas forçaram as lojas virtuais a se estruturarem em múltiplas plataformas, em busca da vantagem de estar onde o público está. “Com a multicanalidade queremos proporcionar que o cliente se comunique com a companhia onde estiver e como quiser”, afirma Gilberto Andrade, diretor de atendimento e processos da Cnova. Segundo ele, hoje, a dinâmica do relacionamento no negócio deve ser muito mais voltada em deixar o consumidor livre. Deixar que ele escolha o canal de comunicação, que navegue entre meios físico e digital, decidindo qual é o melhor momento e meio de fazer compra e que decida voltar à empresa, se quiser. “A comodidade, o acesso, a empatia, a conexão, a marca e a individualização criam valor, conquistam e fidelizam o cliente”, conta.

No caso da OLX, o relacionamento vai além da liberdade e de algo meramente comercial. A missão da empresa é ser amiga dos usuários. “Amigos te conhecem e estão presentes ao longo da vida das pessoas, ajudando e querendo o bem”, declara Ana Julia Ghirello, COO da empresa. Para isso, a empresa quer estar perto para resolver problemas, tirar dúvidas e ajudar, mesmo que não tenham relação com o seu serviço. “Um exemplo dessa postura foi o caso de uma usuária que entrou em contato com a nossa Central de Atendimento para questionar sobre qual a melhor maneira de cuidar de sua orquídea. Apesar do assunto fugir do escopo da nossa plataforma, a equipe de atendimento fez uma pesquisa e enviou para a consumidora uma resposta com algumas dicas e indicações de locais nos quais ela poderia obter essa informação. Quem busca a gente é porque acha que podemos ajudar.”

Por mais bem avançado que esteja, assumindo uma posição quase que adulta e sendo difícil não esperar outro futuro, senão, a continuação de seu crescimento, o e-commerce ainda tem muito que desenvolver. Guasti ressalta que o setor ainda precisa aprender muito com mercados internacionais, como o norte-americano. Principalmente, na questão de maior integração entre ambiente físicos e online. Mas, o que importa é que as empresas já estão voltadas para a melhoria contínua e cada vez mais procurando pelo aperfeiçoamento.

E para você, a que se deve o desenvolvimento do e-commerce brasileiro? Participe da nossa enquete!

Confira também as outras matérias do Especial:
E-commerce brasileiro vem amadurecendo, mas ainda há muito que crescer
Momento do comércio eletrônico é de todos amadurecerem, tanto empresas quanto clientes
Cnova entende que público é o grande transformador da evolução do setor
Por conta de sua dinâmica, setor se beneficia do momento ao atrair cliente que busca desconto
Desenvolvimento do mobile, clientes mais confiantes, novas tecnologias fazem parte das mudanças
Etna sabe que só ter um varejo online não encanta e para isso investe no melhor atendimento
Missão do OLX é ser mais do que um site de classificados, mas ter uma relação ainda mais próxima
Oxigênio que deu forças para crescimento do e-commerce, público continua impulsionando mudanças

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima