Virada digital deve ser acelerada nos próximos 24 meses

Apesar da transformação ter se tornado urgente, algumas empresas atrasaram projetos e esperam tocá-los em breve

0
20

A pandemia de Covid-19 alterou as prioridades e criou uma nova realidade para os CEOs de empresas, mas não alterou a necessidade de implantar estratégias de terceirização inteligentes. Para entender o impacto da crise da pandemia na terceirização, o BCG conduziu uma pesquisa com 200 empresas globais com tendência à contratação de provedores de serviços de TI e de outros processos de negócios. Sessenta e um por cento dessas organizações disseram que aceleraram partes de sua transformação digital ao longo do ano, embora 42% tenham notado que atrasaram alguns projetos. Assim, a percepção popular de que a transformação digital só se acelerou em 2020 pode ser enganosa, com algumas qualificações se tornando necessárias para entender as realidades básicas.

A pesquisa revelou também que 82% dos entrevistados viram queda nas receitas, 78% enfrentaram desafios operacionais e 68% tiveram que lidar com desafios relacionados aos seus provedores de serviços. Os resultados também refletem o estado das transformações digitais. A maioria das empresas planeja persistir com sua agenda de transformação digital: 96% das empresas pesquisadas esperam acelerar a execução de seus projetos relacionados a transformação digital nos próximos 24 meses.

As empresas dispostas a optar pela aceleração afirmam que seu foco imediato será o reforço da função de TI, com mais investimentos em segurança cibernética (55%), visto que as pessoas continuarão trabalhando em casa; automação (49%); migração da nuvem para redução de custos (47%); inteligência artificial (IA), aprendizado de máquina (ML) e análise (46); e inovação crowdsourced (35%). Esse foco é consistente com suas agendas pré-pandêmicas: 80% já estavam se concentrando na segurança cibernética, 76% priorizando a mudança para a nuvem e 72% estavam se concentrando na implantação de IA, ML e análises bem antes da crise. De acordo com o estudo, quase metade das empresas entrevistadas terceirizarão algum tipo de trabalho em 2021.