O canal para quem respira cliente.

Programas de fidelidade são como teclados de máquinas de escrever? E mais

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Programas de fidelidade são como teclados de máquinas de escrever?

Percebeu? É um teclado ABCDE, criando pelo blog DeviantArt

Orgulho-me de ser um dos pioneiros dos programas de fidelidade no país. Na década de 90, além do Smiles, da Varig, desenvolvi dezenas de outros programas e uma série de ações que contribuíram para a consolidação do marketing de relacionamento no Brasil.Sabia um pouco do que estava falando, portanto, quando, a partir de meados da década passada, comecei a pregar a necessidade de uma evolução desse modelo. Minha proposta já então era deixar de fazer os programas padrão e começar a desenvolver o que chamei de Comunidade de Valor Emocional (falo mais sobre esse conceito em outra ocasião). De dois anos para cá, com a evolução dos dispositivos móveis e com os smartphones e tablets na mão cada vez de mais gente, essa mudança tornou-se imperativa. O 2013 Maritz Loyalty Marketing Report e outros estudos recentes mostram que… Continue lendo em A Zona de Desconforto

BlackBerry vende menos do que esperava

A Blackberry vendeu 6,8 milhões de smartphones no primeiro trimestre de 2013, mas segundo The Wall Street Journal, esse resultado decepcionou os investidores, pois a empresa informou que sofreu prejuízo no período. Os analistas esperavam vendas da ordem de 7,5 milhões de unidades. Em relação ao mesmo período no ano passado, entretanto, as receitas apuradas de US$ 3,07 bilhões, ainda que 8% abaixo das expectativas, foram superiores às do ano passado: US$ 2,8 bilhões. Os executivos da empresa não informaram quanto dessas vendas referem-se aos novos modelos do Blackberry 10, nem disseram qual o total da base de assinantes atualmente. Leia também: Seminário de Criatividade Cannes Lions Direct 2013, e outras notícias do mercado de Marketing Direto = Marketing Diálogo no Portal Abemd

Jovem cria lanterna que funciona a partir do calor da mão

Ann Makosinski seria uma adolescente comum se não fosse por uma coisa. Seu gosto por ciências. Aluna do ensino médio de uma escola em Victoria, no Canadá, Ann criou um protótipo de lanterna que funciona a partir do próprio calor da mão. Segundo vídeo que postou no YouTube, a estudante participa de feiras de ciências desde a sexta série e se interessa por energias alternativas, principalmente a que é desperdiçada ao nosso redor. Durante uma pesquisa sobre o tema, ela descobriu a pastilha Peltier, que produz eletricidade quando aquecida de um lado e resfriada do outro. Depois de muitas contas, Ann concluiu que o calor de uma mão poderia produzir energia suficiente para aquecer um lado da pastilha e assim acender um Led de uma lanterna. Em seguida, conseguiu produzir dois protótipos de lanternas, um com tubo de alumínio e outro de PVC. A americana foi uma das 15 finalistas do Google Science Faire venceu o prêmio da feira de ciências do colégio. Agora, Ann ganhará uma bolsa de estudos no valor de US$ 50 mil. Adnews

Copa: Fifa dá nota 8 para torneio no Brasil

Um evento extraordinário. Foi assim que o presidente da Fifa Joseph Blatter classificou a Copa das Confederações, que se encerrou no último domingo, 30, com a conquista da seleção brasileira. Para ele, se fosse como em uma universidade, onde a média é oito pontos, o Brasil teria sido aprovado. Em três semanas, o torneio atraiu um público de mais de 804 mil pessoas nos seis estádios que receberam as 16 partidas da competição. Ricardo Trade, CEO do Comitê Organizador Local (COL), apontou alguns problemas que deverão ser resolvidos até a Copa do Mundo. “Precisamos melhorar a limpeza dos banheiros, trabalhar mais a área de tecnologia e comunicação, melhorar o sistema de controle de acesso eletrônico que não usamos em toda sua plenitude, os campos de treinamento, a sinalização”, disse. Meio&Mensagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima