Programas de milhagem dão sinal de alerta

A Continental Airlines anunciou este mês que, a partir do próximo ano, os participantes do programa OnePass que voarem rotas curtas vão ganhar a quantidade de milhas que voarem em vez do mínimo de 500 milhas. A reação foi imediata e tão forte que a empresa teve que voltar atrás: esta semana anunciou que o crédito mínimo continuará valendo para os participantes dos níveis Elite, aqueles que voam pelo menos 25 mil milhas por ano.

O preço do petróleo tem levado as companhias aéreas a tomarem medidas que mais e mais se aproximam dos participantes de seus programas de fidelidade. Praticamente todas, atualmente, cobram pela segunda mala. E estão cobrando fees em muitos outros serviços que eram oferecidos gratuitamente. Inclusive aos viajantes freqüentes, que até agora eram tratados a pão-de-ló.

A United já havia encerrado o crédito mínimo em julho. A American Airlines começará a cobrar 50 dólares, mais 15 mil milhas para upgrades domésticos. E a Delta, por sua vez, anunciou recentemente que criará uma garantia de resgate de milhas por viagens grátis, mas que custará bem mais milhas do que o normal.

Fonte: Associated Press