A Australia declarou guerra ao Facebook? Notícias do front

Talvez você não esteja sabendo, mas o governo australiano resolveu jogar duro com as big techs, obrigando-as a pagar pelo conteúdo que divulgam. O Google e a Microsot, como poderão ver nas notícias abaixo, resolveram usar a diplomacia, mas o Facebook resolveu enfrentar os aussies. A situação ainda evolui, mas você pode acompanhar algumas das notícias publicadas na imprensa mundial.

Em nota, o Facebook anuncia que proibirá australianos de compartilhar ou ver notícias e todos os usuários de compartilhar e ver notícias nas páginas de notícias australianas
Em resposta à proposta de nova lei de negociação de mídia da Austrália, o Facebook irá restringir editores e pessoas na Austrália de compartilhar ou visualizar conteúdo de notícias australiano e internacional.
A lei proposta interpreta mal a relação entre nossa plataforma e os editores que a usam para compartilhar conteúdo de notícias. Isso nos deixou diante de uma escolha difícil: tentar cumprir uma lei que ignora a realidade desse relacionamento ou parar de permitir conteúdo de notícias em nossos serviços na Austrália. Com o coração pesado, estamos escolhendo o último.
Para o Facebook, o ganho comercial com as notícias é mínimo. As notícias representam menos de 4% do conteúdo que as pessoas veem no Feed de notícias. O jornalismo é importante para uma sociedade democrática, e é por isso que criamos ferramentas dedicadas e gratuitas para apoiar organizações de notícias em todo o mundo na inovação de seu conteúdo para o público online.
Nos últimos três anos, trabalhamos com o governo australiano para encontrar uma solução que reconheça a realidade de como nossos serviços funcionam. Há muito trabalhamos em direção a regras que incentivem a inovação e a colaboração entre plataformas digitais e organizações de notícias. Infelizmente, esta legislação não faz isso. Em vez disso, procura penalizar o Facebook por conteúdo que não pegou ou pediu.
Estávamos preparados para lançar o Facebook News na Austrália e aumentar significativamente nossos investimentos com editores locais, no entanto, só estávamos preparados para fazer isso com as regras certas em vigor. Essa legislação estabelece um precedente em que o governo decide quem celebra esses acordos de conteúdo de notícias e, em última instância, quanto recebe a parte que já recebe o valor do serviço gratuito. Agora vamos priorizar investimentos para outros países, como parte de nossos planos de investir em novos programas e experiências de licenciamento.

Autoridades australianas em saúde pública, clima e outras áreas dizem que o Facebook removeu postagens de seus feeds após a proibição de notícias do Facebook
Postagens desaparecem das páginas das autoridades de saúde, Bureau of Meteorology em meio à proibição de notícias do Facebook
O Facebook restringiu o acesso às notícias na Austrália e, até agora, a gigante da tecnologia parece ter adotado uma definição bastante ampla de notícias.
Algumas páginas que não se enquadram no gênero de notícias tradicional foram eliminadas como parte da disputa entre o Facebook e o governo federal sobre se a empresa de mídia social deveria pagar pelo conteúdo australiano que veicula em seu site.

Microsoft declara que os EUA devem pensar em seguir a legislação australiana incomodando o Facebook, Google
O presidente da Microsoft, Brad Smith, disse à Axios em uma entrevista que os EUA e outros países devem considerar a adoção de regras de mídia como as que a Austrália está prestes a promulgar em breve para forçar as empresas de tecnologia a pagar as editoras pelo conteúdo. Tanto o Facebook quanto o Google disseram que não podem administrar seus negócios normalmente com o código em vigor e avisam que, se a Austrália o aprovar conforme o esperado, eles retirarão alguns de seus serviços do país. “Eu seria o primeiro a reconhecer que reconhecemos que esta é uma oportunidade de combinar bons negócios com uma boa causa”, disse Smith à Axios. Smith observou que a Microsoft, que tem um programa de compartilhamento de receita com editoras por meio do Microsoft News, seria capaz de trazer mais receita para editoras na Austrália se tivesse mais participação de mercado.

Google vai pagar US$ 23 milhões/ano ao Sydney Morning Herald, em acordo selado antes da nova lei de mídia na Austrália
Em entrevista ao Financial Times na segunda-feira (15/2), o CEO do grupo de mídia australiano Nine, dono do Sydney Morning Herald, mandou um recado: “Nosso ponto é muito simples – se o Google usar nosso conteúdo, ele deve pagar por isso”.
Mensagem captada. Na noite de ontem, o Nine anunciou acordo com a gigante digital e vai receber US$ 23,3 milhões por ano pelo uso de seu conteúdo em várias plataformas, revelando a dimensão dos contratos para integrar o Google News Showcase e os termos envolvidos.
Foi mais um lance importante na história que se desenrola na Austrália, cujo Governo conseguiu apoio da oposição para aprovar a primeira regulamentação do mundo envolvendo pagamento às empresas jornalísticas por conteúdo utilizado nas plataformas globais.
O projeto já está no Parlamento e deve ser votado ainda esta semana, servindo de modelo para outros países que observam com lupa cada movimento.