Como a estratégia digital e direta da Nike está ganhando do coronavírus

Enquanto as lojas permanecem fechadas, os aplicativos da Nike têm sido críticos para garantir que a empresa permaneça em primeiro plano para os clientes.

Nos últimos anos, a estratégia de venda direta para o consumidor da Nike apoiou-se na construção de um ecossistema de aplicativos para os quais os usuários recorrem de tudo, desde exercícios a reservas de produtos para experimentar na loja. Existe o aplicativo Nike, que é o principal aplicativo de comércio eletrônico, o Nike Training Club, o Nike Run Club e o SNKRS para fanáticos por calçados. No início do surto de coronavírus, a Nike decidiu disponibilizar gratuitamente a seção de treino premium do aplicativo Nike Training Club, a fim de incentivar mais usuários a baixar o aplicativo. Ano após ano, o número de novos membros e exercícios iniciados no Nike Training Club triplicou. A Nike também começou a transmitir semanalmente os treinos da comunidade Nike Training Club no YouTube, o mais popular dos quais já recebeu mais de 1 milhão de visualizações. Agora, o próximo passo é descobrir como fazer com que os usuários de novos aplicativos permaneçam fiéis e ativos — bem como fazer com que os clientes continuem usando os aplicativos da Nike quando as lojas reabrirem. Heidi O´Neill, presidente de consumidor e mercado da Nike, disse que a empresa tem um manual de seis etapas para determinar quando reabrir as lojas. Depende de fatores externos, como as regras do governo local e da localização do shopping, e também se a Nike acha que é seguro para os funcionários daquela área começarem a voltar ao trabalho. Na semana passada, a Nike tinha apenas algumas lojas abertas nos EUA. Fonte: Modern Retail


Autênticas, úteis, humildes e humanas — as chaves para ótimas mensagens B2B na era dos coronavírus

Tom e nuances sempre foram fatores críticos para um ótimo marketing B2B, mas o CV19 transformou tudo o que pensávamos. Reunidos “em torno” de uma mesa redonda virtual promovida pelo site B2B Marketing, alguns dos principais líderes do setor falaram o que pensam sobre como produzir e usar conteúdo nesse novo cenário e no que virá ainda este ano. Eis os destaques: 
1. Tudo tem a ver com branding. Na sequência do coronavírus, com a demanda esgotada, a importância da marca e o poder da marca se tornaram proeminentes. Mas marcas fortes exigem autenticidade, o que coloca um foco real no propósito da marca e em garantir que isso seja entendido no topo da organização.
2. Ser útil não é tão fácil quanto parece. Hoje, toda marca alega querer ajudar e estar “lá para você”, mas muito disso não é real. Em outras palavras, escrever sinceramente sobre seu desejo de ajudar não é o mesmo que realmente ajudar. Se você não pode fazer algo que realmente atenda a uma necessidade, sem tentar vender, não faça nada, pois pode prejudicar sua autenticidade
3. Mensagens “corporativas” já eram. O tipo de mensagens que dominou o B2B por décadas, com seu foco desumanizado no tamanho corporativo, ego corporativo e suposição de tomada de decisão lógica, têm sido uma raça em extinção no B2B há muitos anos, mas o coronavírus certamente é o último prego no caixão. Conectar-se com clientes nesse clima exige marketing com um toque humano.
4. Não são apenas os clientes que precisam da mensagem certa. Atualmente, a maioria dos profissionais de marketing B2B está atenta às necessidades e sutilezas da marca dos funcionários, e certamente nunca haverá um momento mais importante para garantir que a mensagem certa seja divulgada pelos funcionários, onde quer que estejam.
5. Agora, mais do que nunca, mate os clichês. Um ótimo marketing B2B precisa se destacar e você não fará isso regurgitando o óbvio. Então, mate o clichê – não apenas agora, mas sempre.
6. Não tenha medo de falar sobre o COVID-19, se for apropriado. À vezes é necessário e apropriado. O desafio é entender onde está a linha tênue e respeitá-la.
7. Esteja pronto para retornar. Uma prioridade máxima para os profissionais de marketing deve ser preparar um retorno à “normalidade” (ou algo parecido com isso) e ter um plano para o que fazer e como se envolver com os clientes quando isso acontecer.
Fonte: B2B Marketing

Kohl´s e Snapchat unem-se para oferecer produtos de uma maneira mais fácil
A cadeia de lojas de departamento Kohl se uniu ao Snapchat e criou um armário virtual em realidade aumentada no início desta primavera, permitindo que o Snapchatters naveguem pelas roupas das lojas por meio do aplicativo de mensagens. A Kohl´s lançou uma lente Snapchat de realidade aumentada que permite aos usuários procurar e comprar diretamente roupas de ginástica, que viram um aumento no interesse durante a vida em quarentena. “Essa experiência no armário virtual deu ao nosso público a chance de experimentar os produtos pelos quais está comprando agora de uma nova maneira”, diz Greg Revelle, da Kohl. Fonte: Adweek