Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

As faces ocultas do treinamento

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Diagnósticos de necessidades de treinamento não podem ser estanques quando da sua execução e os processos organizacionais devem ser foco de observação do instrutor e fundamentalmente, com muita ética e bom senso, repassadas aos gestores da organização como recurso de desenvolvimento organizacional.

Todos sabemos que as ações de treinamento estão centradas em desenvolvimento de habilidades técnicas, gerenciais e comportamentais. Em todas as necessidades está implícita uma necessidade permanente de treinamento motivacional e de integração entre equipes e destas com a empresa.

Quando falamos em qualificação técnica há uma unanimidade quanto à baixa necessidade de enfocar em seu conteúdo programático tópicos de caráter motivacional e de integração, pela objetividade e especificidade, decorrentes novas tecnologias e/ou processos ou de qualificação de profissionais para tecnologia e processos já existentes.

O grande desafio está em diagnosticar, desenvolver e aplicar programas de treinamento comportamental e de desenvolvimento gerencial, especialmente programas “in company”, pelo fato de que nem todas as necessidades são abertamente manifestadas e muitas delas, as vezes até de ordem técnica, são derivadas de clima organizacional comprometido por relações gerenciais autoritárias, inadequação do perfil profissional com a atividade que desenvolve, processos organizacionais ineficientes e muitas vezes incoerentes – vendemos as melhores práticas para nossas equipes e temos limitações das mais elementares na sua operacionalização, que vão desde a desintegração de sistemas e equipes, falta de informações, duplicação e formatação diferenciada de processos… Ignorando todas essas possibilidades nos concentramos exclusivamente em necessidades de treinamento.

Não que os programas de treinamento deixem de contribuir para a solução dessas necessidades, pois promove sinergia e integração entre as pessoas e equipes e fundamentalmente crescimento profissional técnico e de relacionamento. É nesse ponto que fundamento a minha tese de que um bom diagnóstico do perfil da empresa e de suas equipes pelo instrutor favorece em muito para a criação de um ambiente saudável para o debate dessas questões e especialmente na busca de soluções, através dessa própria equipe, para solução de parte dos problemas citados acima. Para tal é de extrema importância que as turmas de treinamento sejam homogêneas, isto é que se evite a participação de chefe e subordinados na mesma turma, garantindo que esses sentimentos não sejam abortados durante a aplicação do programa de treinamento.

Outro desafio extremamente importante é a habilidade do instrutor em trabalhar os problemas identificados durante a aplicação do programa de treinamento, sem fugir ao propósito do treinamento, tanto com a equipe – promovendo o compartilhamento de responsabilidade em especial na busca de soluções para problemas apresentados e, também na forma ética de levá-los aos gestores da organização.

Para tal podemos utilizar diversas ferramentas formais para identificar e proporcionar o surgimento de tais problemas, entre elas a avaliação do treinamento e uma tabulação equilibrada abordando os pontos críticos identificados.

Outro ponto de extrema importância é a realização de contratos informais entre a organização cliente e a equipe participante do treinamento de que os comentários e impressões compiladas são de caráter coletivo e que visam o desenvolvimento organizacional. Dessa forma compartilhamos e integramos soluções de treinamento e de clima organizacional. Dependendo da intensidade dos problemas identificados trabalhos específicos de clima organizacional devem ser desenvolvidos, visando buscar o equilíbrio entre os objetivos organizacionais e de seus participantes.

Observando de forma sistêmica essas faces ocultas e principalmente tratando-as com muita ética e responsabilidade proporcionamos aos programas de treinamento “in company” um grau de eficácia infinitamente superior ao de uma abordagem localizada e específica.

Valdeci de Oliveira Carneiro é consultor na área de RH e Desenvolvimento Organizacional, Administrador de empresas, Pós-graduado em RH e Marketing. E-mail: [email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima