Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

As percepções são as mesmas?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



O que o cliente espera de uma experiência excelente de atendimento? Apesar das mudanças do mercado, a resposta é velha: eficiência. É o que revela o Customer Experience Research Study, realizado em oito países – incluindo o Brasil. O segundo fator mais relevante colocado pelos clientes é a capacidade de resolver de forma efetiva o motivo da interação, com agentes mostrando profissionalismo e agilidade na resposta. “A pesquisa mostra que os consumidores ainda sentem falta de recursos básicos que aumentem a qualidade de atendimento”, reforça Pedro Silveira, gerente de marketing no Brasil da Interactive Intelligence, empresa responsável pelas pesquisa.

 

Tanto que 65% dos consumidores disseram que o acesso do atendente às informações do histórico de atendimento é considerado a funcionalidade mais valiosa de uma interação. E 94% ressalta a satisfação quando, graças a esse histórico, deixam de ser obrigados a repetir sua requisição para o atendente, no caso de chamadas que são transferidas de um ponto a outro no contact center. “O cliente continua demonstrando que está mais exigente às questões em que há muito tempo já considera importante, como não ter que repetir a solicitação ou histórico das chamadas ao atendente, principalmente quando é transferido para outro atendimento”, comenta Carlos Passos, diretor de operações da Motiva Contact Center.

 

Outro ponto que chamou a atenção foi com relação aos canais de atendimento. O atendimento ao vivo, via ligação telefônica, continua sendo o tipo de interação preferida dos clientes, com 59%, seguido de e-mail (17%) e o chat on-line (12%). “Ao contrário do que as revoluções nos canais demonstram sobre as relações interpessoais, o relacionamento empresa-cliente ainda se concentra no telefone e em interações via voz, com um atendente humano”, pondera Silveira.

 

As redes sociais foram o último canal de comunicação na preferência do consumidor, citadas apenas por 1% dos consumidores. “Os canais, como e-mail e mídias sociais, que acreditávamos há cerca de dois anos que iriam ultrapassar rapidamente as ligações telefônicas, ainda não conseguiram concretizar essa virada”, comenta reforça Dias, que aponta, como exemplo, o próprio SAC da cervejaria, onde as interações por telefone ainda representam 75% do volume dos contatos.

 

 

E para você, qual o principal desafio das centrais de atendimento? Deixe a sua opinião na enquete do portal Callcenter.inf.br.

 

 

Confira também todas as matérias do especial:

 

A real percepção
Estudo revela experiência dos clientes com atendimento e como tecnologia pode contribuir

 


As dez principais conclusões do Customer Experience Research Study

 

 


SACs devem se conscientizar da importância de responder com propriedade e fluência

 

 


Apesar dos avanços em TI, desafio ainda está em ter agente com conhecimento e autonomia

 

 


É obrigação do mercado acompanhar a evolução do consumidor, afima diretor da Alert Brasil

 

 


Mais do que novos canais, cliente quer qualidade e eficiência no atendimento por telefone

 

 


Mercado brasileiro de contact center espera mais dos atuais fornecedores de tecnologia

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima