Com força de vontade?

0
2


As centrais de atendimento podem e devem aproveitar a energia e disposição dos jovens para ensiná-los e treiná-los sobre a forma ideal fazer a manutenção do relacionamento entre a empresa e os consumidores. A opinião, do consultor da M&S, Ricardo Evaristo, tem o intuito de incentivar as organizações a explorarem os talentos que, apesar de não estarem inseridos no mercado de trabalho, buscam oportunidades para iniciar a vida profissional. “As contribuições destes jovens na promoção do relacionamento entre empresa e cliente consistem na força de vontade, energia e disposição para o aprendizado”, frisa.
 
Para conseguir que esse relacionamento seja saudável e bem-sucedido é preciso cuidar do treinamento do pessoal. “É preciso ter muito treinamento e desenvolvimento das partes técnica e comportamental, incluindo feedbacks diários dos gestores no exercício das funções”, indica. Além disso, investimento em conhecimento e desenvolvimento humano é sempre muito rico e produtivo, de acordo com Evaristo. “Nesta jornada, acabamos descobrindo excelentes potenciais criativos dentro dos contacts centers e criando uma sinergia muito grande entre os profissionais do ramo e os clientes e parceiros”, sugere.
 
A estratégia para agregar valor ao relacionamento, feito pelo colaborador é colocá-lo no lugar do cliente, para que ele imagine como gostaria de ser atendido. “Estes jovens também são consumidores e fazem parte de um publico exigente”, frisa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorABT prorroga prazo de inscrição
Próximo artigoEm busca do engajamento