O canal para quem respira cliente.

Como elaborar um plano B?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



Autor: Eduardo Ferraz

 

Insatisfação com o andamento da carreira, busca por mais qualidade de vida, mais autonomia, melhores rendimentos, uma demissão inesperada ou até mesmo a necessidade de se manter na ativa durante a aposentadoria, são alguns fatores que levam as pessoas a partirem para um plano B na vida profissional.

 

É fundamental ficar atento, manter-se atualizado e saber se planejar, buscando alternativas que complementem sua formação atual e que possam lhe garantir o futuro, seja por vontade ou necessidade. Para quem nunca pensou no assunto, vale o alerta. Muita gente teria que ter um plano B, uma segunda opção de trabalho ou carreira, pois nunca se sabe até quando a primeira dará certo. Abaixo, seguem algumas dicas para quem pretende ter sucesso no plano B:

 

– Evite agir de forma precipitada – Sempre é tempo de recomeçar, mas com prudência e planejamento. É preciso estudar uma nova opção por, no mínimo, um ano antes de tomar a decisão de mudar algo drástico na carreira.

 

– Invista em estudos – procurar informações no ramo em que pretende atuar, treinamentos segmentados e relacionamento com pessoas que já atuam na área desejada, podem ser maneiras de identificar se você tem afinidade com a nova função.

 

– Carreira acadêmica – mesmo que ainda esteja trabalhando, dar aulas, palestras ou cursos, pode ser uma forma de preparar sua entrada na carreira acadêmica ou consultoria, caso tenha vocação para o ensino.

 

– Capital mínimo – se a opção for realmente abrir um negócio, é importante ter um capital que cubra, no mínimo, 50% do investimento. É fundamental saber também que dificilmente o empreendedor terá lucros logo no início, já que por pelo menos dois anos ele terá que trabalhar mais e fazer retiradas mínimas.

 

– Autonomia tem seu preço- Trabalhar por conta própria dá uma enorme sensação de controle, mas tem seus riscos. É comum, principalmente no início, uma grande instabilidade de trabalho: alguns meses muita demanda, outros nenhuma. Esteja preparado para os altos e baixos de uma carreira solo.

 

Uma nova carreira, que realmente tenha a ver com sua personalidade e com sua vocação, pode garantir que o plano B seja não só uma saída, mas uma realização.

 

Eduardo Ferraz é consultor em gestão de pessoas e especialista em treinamentos usando como base a neurociência comportamental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima