Compuline investe na Zona Leste de SP

0
0



Com o objetivo de expandir e aperfeiçoar o atendimento de call center a empresas de diferentes segmentos, a Compuline Service está investindo na ampliação de infraestrutura e na melhoria na prestação de serviços.
Após dois anos localizada no Centro de São Paulo, a empresa, que está no mercado de contact center desde 2005, decidiu mudar para a Vila Prudente, na zona leste, a 600 metros da estação de metrô que leva o mesmo nome do bairro. A troca de endereço aumenta até o final do ano a capacidade de atendimento, passando de 100 para 250 postos de atendimentos.

 
Segundo o diretor, Marco Antônio Galante, parte do investimento é destinada a ampliação do espaço da empresa, que irá melhorar o relacionamento com os clientes. “Saimos de um espaço de 400 m² no Centro de São Paulo para mil m². Isso significa novos postos de atendimento, salas de reuniões, área de refeição, e salas de treinamento maiores e mais confortáveis para os nossos funcionários”, explica.


A empresa vem se unir a outras organizações de contact center que abriram filiais em bairros da zona leste, deixando de concentrar suas atividades apenas na região central da cidade. O objetivo é elevar seus negócios no mesmo ritmo de crescimento da região, que está em pleno avanço com a chegada de novas linhas de metrô e com a instalação de novos empreendimentos imobiliários de médio e alto padrão. “Esperamos dobrar o faturamento este ano com a chegada de novos clientes”, disse Leandro Ferreira, sócio de Galante.


O investimento previsto irá permitir também a ampliação do quadro de funcionários. Segundo previsões, no primeiro semestre serão contratados 300 novos atendentes de telemarketing, gerentes, coordenadores, supervisores, somente na sede em São Paulo. Na filial, inaugurada em outubro do ano passado no Rio de Janeiro, a expectativa é dobrar os postos de trabalho, passando de 50 para 100 atendentes. Hoje, a companhia trabalha com operações ativas e receptivas de vendas, cobrança e SAC de empresas de cartões de crédito, telefonia e editoras.