Cultura concentrada

0
3
Autor: Charles Bezerra
Fundamentalmente, tudo o que uma organização faz ou produz é resultado de sua cultura. Porém, nós raramente pensamos desta forma. Geralmente, pensamos que são os processos, tecnologias e estruturas que são responsáveis por gerar os resultados – não pessoas, não cultura. Inovação pode perfeitamente ser vista como um produto da cultura – como um concentrado da cultura organizacional. Sabemos que no seu melhor uma cultura organizacional saudável é capaz de fazer da inovação algo espontâneo, quase sem esforço. Por outro lado, uma cultura organizacional doente pode ter os melhores processos e tecnologia, mas não é capaz de sobreviver por muito tempo. Ela se autodestrói.
Em cenários de extrema competição, muitas vezes, equipes de sucesso vencem devido a sua cultura, porque o todo é mais adaptável para superar as interações dinâmicas e não porque apenas um ou dois jogadores são capazes de fazer a diferença sistematicamente. E, quando uma equipe age como se tivesse uma consciência, uma mente coletiva, isso se torna pura magia, como a seleção brasileira em 1982 ou o Chicago Bulls na década de 90.
No entanto, não é fácil agir ao nível cultural. E muitas empresas sucumbem nesta tentativa. Cultura implica em viver a diversidade. É a diversidade que traz robustez. Qualquer forma de elitismo é perigosa quando nos encontramos no nível cultural, pois, quando o contexto muda, o que acontece sempre, ter uma única abordagem enfraquece o todo. Desse modo, quando se trata da cultura de uma organização, uma diversidade de opiniões é algo a ser bem acolhido e celebrado. Como uma sociedade composta por mentes, a cultura também implica em troca, a capacidade de ouvir os outros, e, o mais importante, ouvir as críticas, que é algo que a maioria dos líderes não está acostumada a fazer. Quando uma opinião diferente não é compartilhada em uma reunião, pois o chefe está na sala ou porque um colaborado não quer quebrar o “alinhamento”, ela, inevitavelmente, vem à tona novamente. E, dependendo de onde surge, pode se tornar um grande obstáculo para que qualquer ação seja realizada.
Assim, confiança é o ingrediente mais fundamental para qualquer cultura bem sucedida. O esforço de criar e manter relações de confiança em todos os níveis de uma organização é, provavelmente, a maior e a mais importante tarefa para os líderes. Uma abordagem comum utilizada por grupos indígenas é sentar-se em círculo para discutir os problemas, na qual eles respeitam e ouvem uns aos outros com suas mentes e corações. É uma espécie de diálogo livre, no qual, às vezes, um pedaço de pau ou uma pena é passado para dar autoridade a quem está falando. E, depois, quando o círculo for completado, todo mundo parece saber o que fazer e como agir. Muitas vezes, as empresas enfrentam obstáculos enormes para implementar sua estratégia, não porque elas não possuem os recursos adequados, a tecnologia ou o processo correto, mas, simplesmente, porque duas ou três pessoas não são capazes de se sentar e se comunicar. As facções que elas representam, então, seguem por seus próprios caminhos em vez de atuar como um só organismo.
Uma técnica simples e eficaz que as empresas poderiam utilizar para iniciar uma transformação na cultura é apenas dar credito aqueles com coragem de reportar os seus próprios erros. Não é creditar os erros, obviamente, mas creditar a coragem de reportar os erros e as lições aprendidas com eles. Todos cometemos erros, e o aprendizado que colhemos com estes erros é o que faz um organismo, uma cultura, evoluir. Isso também sinaliza que a organização está interessada na verdade e não na ilusão de que todo mundo faz tudo corretamente o tempo todo. Isso pode parecer muito abstrato e, definitivamente não faz parte do atual ferramental do mundo corporativo. Mas a realidade é que, quando um cliente utiliza um serviço ou compra um produto, o que ele está realmente comprando é um símbolo, um produto, de uma cultura.
Charles Bezerra é diretor da ?What If! Innovation Partners no Brasil.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSeu time está preparado?
Próximo artigoTakeda tem novo diretor