Estresse ocupacional atinge 70% dos brasileiros

0
2

O estresse ocupacional é hoje uma realidade presente em grande parte das empresas. De acordo com pesquisa recente da International Stress Management Association (Isma), 70% dos brasileiros sofrem de estresse no trabalho, porcentagem semelhante à de países como a Inglaterra e os Estados Unidos. A doença tem origem ou pode ser agravado pelas condições existentes no ambiente de trabalho.

Seus principais sintomas são perda de apetite; insônia; irritabilidade; dificuldade de concentração; distúrbios de memória; emagrecimento (ou ganho de peso excessivo); sudorese de extremidades (principalmente mãos); sensação de que está sendo observado ou perseguido no local de trabalho e, por vezes, o desenvolvimento do quadro mais grave do estresse, o chamado “distúrbio do pânico”.
Para identificar se um indivíduo sofre de estresse ocupacional, é necessário fazer um estudo detalhado, de preferência com um grupo de trabalhadores da mesma empresa, explica o especialista Aizenaque Grimaldi, médico coordenador da PROSEG, instituição especializada em Medicina do Trabalho e Engenharia de Segurança do Trabalho.
“Como o estresse pode ser desencadeado por múltiplos fatores, para ser caracterizado como de origem ocupacional torna-se necessário conhecer o ambiente de trabalho, os ritmos e tempos das funções desempenhadas, chefias, cultura da empresa, como são desenvolvidas as atividades durante a jornada de trabalho, como é o relacionamento entre os trabalhadores, etc.” Além disso, destaca, “é importante se ter também uma noção da vida particular do trabalhador, já que o estresse pode estar sendo gerado no ambiente familiar, no círculo social ou sob outros aspectos da vida do profissional”.
Para as empresas, o estresse ocupacional pode consumir boa parte dos gastos anuais, pois gera acentuada queda de produtividade, refletida nas horas de trabalho perdidas pelo absenteísmo, pagamentos de eventuais horas-extras necessárias, desperdício de material de trabalho, além de custos elevados com assistência médica. Nos Estados Unidos, por exemplo, estima-se em US$ 300 bilhões os prejuízos anuais nas empresas por problemas relacionados ao estresse no trabalho. “Pode-se dizer que, atualmente, esse problema é uma das causas principais de aumento dos custos de uma empresa”, afirma Grimaldi.
Como minimizar os efeitos
Através da medicina já é possível minimizar os efeitos do estresse ocupacional, mas, segundo Grimaldi, o controle do problema deve ser realizado, principalmente, dentro das próprias empresas. “Evitar o problema é quase impossível, já que existem fatores individuais e extra-laborais que também interferem”, diz. O que se pode fazer é tentar harmonizar o ambiente profissional, de forma que as condições de trabalho se tornem agradáveis.
Empresas especializadas na implantação Programas de Qualidade de Vida utilizam técnicas e mecanismos que vão desde relaxamento até programas de ginástica laboral, por exemplo. Os Programas também englobam mudanças físicas no ambiente de trabalho – como a diminuição das divisórias que restringem o contato entre os trabalhadores; palestras sobre Qualidade de Vida e cuidados com a saúde; apoio psicológico; implantação de programas e atividades recreacionais ou uma área de convivência, entre outros.

Os benefícios com a prevenção do estresse ocupacional relacionam-se diretamente com o aumento da produtividade e, conseqüentemente, dos lucros. Além, claro, de propiciar uma melhora considerável no ambiente profissional. No Brasil, os principais fatores que contribuem para a demanda excessiva de agentes estressores no trabalho são: redução de mão-de-obra sem redução da quantidade de trabalho; inflação; custo de vida; incertezas no painel econômico nacional; concorrência de empresas com maior tecnologia ou menor preço – tudo isso se reflete na vida da empresa; responsabilidades e atribuições excessivas; falta de apoio.