IDC define intenção de investimentos de TI para 2002

0
9

Por meio de pesquisas com 60 dos maiores representantes dos setores de telecomunicações, comunicações e mídia do País, a IDC Brasil definiu como foram os investimentos em soluções de tecnologia da informação em 2001 e a projeção destes investimentos em 2002.


No ano passado, período permeado de crises que obrigou as operadoras a redução de recursos humanos e a amargar a ausência do auxílio financeiro dos seus fornecedores, estas empresas, mesmo assim, fizeram por conta própria investimentos em tecnologia, apesar de colocarem-se em um mercado considerado superestimado.


Atualmente, com postura mais conservadora – atitude que pode ser explicada pela alta curva de aportes em TI apresentada nos últimos anos para estabelecimento de suas estruturas –, as operadoras de telecomunicações têm como meta apertar os cintos a fim de terminar este ano apresentando um balanço saudável.


 


“Apesar de no ano passado algumas operadoras conseguirem atingir as metas impostas pela Anatel, e outras não, a maioria continua armando-se para o processo de regulamentação do setor, por isso, mesmo reduzindo os custos para gerar um faturamento positivo vão investir em tecnologia, mas muito menos” diz Karen Bitram, analista responsável pelos estudos da série ICT – Information & Communication Technologies.


Segunda ela, para aumentar a eficiência e qualidade de seus serviços, estas empresas precisariam armar-se de novos módulos de ERP, sistemas de gestão e de billing, porém, destes três itens, somente o último desperta-lhes atenção neste ano. “Este nicho só vai investir em processos que tragam retorno de receita em um curto prazo, como é o caso do billing, que ganha reforço por causa das áreas de marketing, que nas operadoras são as maiores solicitantes de tecnologia para estes sistemas”.


No segundo semestre, os investimentos irão para os softwares de CRM dentro dos seus call centers – ou contact center, dependendo da empresa, e para as áreas de automação de força de vendas, que estavam à deriva no mercado corporativo, mas são as que geram receita. Karen destaca ser este um segmento curioso, que dá mais atenção às aplicações de melhoria no relacionamento com o cliente, relegando as soluções de retaguarda, como ERP, necessárias para otimizar a rede de todo o processo.


Aliás, CRM também será a aposta das empresas de mídia ao longo de 2002, que pretendem utilizá-lo por estas mesmas áreas pretendidas pelas operadoras. Vale ressaltar que 2001 foi um ano crítico para as empresas de comunicação, que sofreram impactos por todos os lados. Quanto aos ISPs, ainda estão indecisos quanto aos serviços que precisam agregar valor para oferecer aos seus clientes, o que dificulta a decisão por  investimentos. Apesar de saberem que o caminho é oferecer conteúdo e não infra-estrutura, elas desconhecem a estratégia para se chegar a isso. Quem está com a infra-estrutura já montada, vai ficar assim; quem não está, vai terceirizar.


Nos grandes call centers, a situação é outra. De 2000 para cá, encontram-se em fase de transição tecnológica, já que este foi o período que marcou o início da entrada de várias empresas estrangeiras no país, que trouxeram na bagagem a padronização pelos processos internacionais, muito mais modernos. As nacionais, que não tiveram esta chance, estão tentando se igualar e partindo para jogar suas informações na Web. “Isto é fundamental para o segmento, que vai investir em infra-estrutura de internet, segurança, servidores, CRM e desenvolvimento de software”, avalia Karen.


Ainda de acordo com a analista, apesar de todo o setor de telecomunicações estar reduzindo a marcha de seus investimentos em tecnologia, com apenas 30% dos entrevistados postergando seus aportes para este ano, não significa que ele não tenha uma importância significativa no segmento nacional de TI, que deve gerar até o final de 2002 um movimento de US$ 14 bilhões. Deste total, mais de US$ 1,8 bilhão será oriundo das empresas do setor.