No trabalho, o importante é sentir-se bem

0
2


Durante séculos, filósofos e intelectuais postularam que a maior meta dos seres humanos é ser feliz. E muitos pensadores sugeriram que a felicidade humana inclui elementos como conforto material, saúde, suporte familiar e aceitação social. Empresas que compreendem as interligações entre o stress do funcionário com a saúde e bem-estar podem ajudá-los a gerenciar o stress e encontrar o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. Por isso, o Gallup Management Journal avaliou trabalhadores norte-americanos para pesquisar a percepção de como a felicidade e o bem-estar afetam o desempenho no trabalho. Os pesquisadores examinaram os fatores que mais influenciam os funcionários engajados (27% dos entrevistados) daqueles que não são engajados (59%) ou ativamente desengajados (14%).

Importância do supervisor e do desafio – Pesquisa anterior da Gallup – assim como resultados desta – mostra que os supervisores têm um papel crucial no bem-estar e no engajamento do funcionário. Quando os estrevistados eram questionados sobre a afirmação “Meu supervisor foca nos meus pontos fortes e características positivas”, 77% dos funcionários engajados concordaram plenamente com a afirmação. Apenas 23% dos não-engajados e 4% dos ativamente desengajados concordaram com tal afirmação. É importante ressaltar que nenhum dos funcionários engajados discordou da afirmação. Estes dados indicam que um relacionamento positivo com o supervisor tem um efeito importante no engajamento do funcionário.

Quando os colaboradores americanos foram questionados quão freqüentemente eles se sentem desafiados no trabalho, a maioria dos funcionários engajados (61%) disse que se sentem desafiados muito freqüentemente, enquanto 35% disseram se sentirem desafiados às vezes. Em contrapartida, apenas 49% dos desengajados e 24% dos ativamente desengajados disseram que se sentem desafiados com freqüência no trabalho, 39% dos desengajados e 42% dos ativamente desengajados se sentem desafiados ocasionalmente.

Mas se a maioria dos trabalhadores se sentir desafiada ocasionalmente ou muito freqüentemente, isso é bom ou ruim? Para verificar isso melhor, os entrevistados foram também questionandos com que freqüência eles se sentem frustados no trabalho. Aqui as diferenças são mais impressionantes. Quase 4 em cada 10 funcionários engajados (39%) disseram que raramente ou nunca se sentiram frustrados no trabalho, enquanto apenas 13% se sentem frustrados com freqüência. De outro lado, 6 em cada 10 funcionários ativamente desengajados e 26% dos desengajados disseram se sentir frustrados constantemente. Estas respostas sugerem que quando os funcionários engajados se sentem realmente desafiados no trabalho, eles vêem estes desafios de maneira muito mais positiva que os funcionários menos engajados.

Levando o stress para casa – Para verificar a conexão entre felicidade no trabalho e felicidade fora do escritório, foi perguntado aos entrevistados quanto de felicidade eles vivenciam no trabalho. O constraste nas respostas dada pelos trabalhadores em cada grupo de engajados foi visível. Uma maioria expressiva dos engajados – 86% – disse que se sente freqüentemente feliz no ambiente de traballho. Entre os menos engajados, apenas 11% dos ativamente desengajados e 48% dos desengajados disseram que eles também se sentem felizes no trabalho.

Em resposta à pergunta “quanto de felicidade você diria que vem da sua vida profissional?”, 45% dos funcionários engajados disseram que uma boa parte de sua felicidade vem da vida profissional, contra apenas 19% dos desengajados e 8% dos ativamente desengajados. Estes dados sugerem que quase a maioria dos trabalhadores experimenta variações no grau de felicidade e bem-estar no trabalho, principalmente os trabalhadores engajados.

Os resultados mostram uma forte relação entre a felicidade do funcionário e o engajamento do local de trabalho. Funcionários felizes e engajados têm uma probabilidade muito maior de ter uma boa relação com o chefe, são melhores preparados para novos desafios e mudanças, sentem que são melhores avaliados pelos empregadores, controlam melhor o stress e são muito mais satisfeitos com as vidas.