O jovem líder e seus desafios

0
1



Autor: Fernando Montero da Costa

 

Quando se está no mundo acadêmico-universitário, a prática profissional ainda é uma grande desconhecida. Esta falta de informações sobre como será o futuro do estudante no dia a dia de uma empresa, por exemplo, faz com que as faculdades não expliquem o suficiente a respeito da importância de se tornar um líder. E a liderança se trata de uma virtude genética, exclusiva de alguns eleitos pela natureza? A resposta é: não (felizmente!).

 

Liderança pode, sim, ser aprendida. É claro que alguns já trazem consigo traços de personalidade e de comportamento que favorecem o ato de liderar, porém, um técnico também pode se tornar um bom líder. Para isto ocorrer, é preciso, entretanto, que haja empenho por parte do profissional técnico.

 

O fato é que, na velocidade em que as coisas acontecem no mundo atual, muitas vezes acabamos, ainda jovens, sendo elegíveis a líderes e, em determinado momento, estamos líderes. E então, o que fazemos nesta hora?

 

Liderança é como musculação, requer a prática de exercícios continuados e muita disciplina. Portanto, uma vez que se determine a isto, quem não nasce líder pode aprender a liderar.

 

Destaco algumas características (ou competências) mais desejadas pelas organizações:

– Empatia

– Confiança

– Facilidade para se inter-relacionar com os outros

– Otimismo

– Capacidade de persuasão

– Comunicação

 

Afinal de contas, considerando-se a relação de itens acima, o que significa ser um líder maduro no que tange à sua relação com pessoas?

 

Significa:

– Ser capaz de delegar tarefas a outras pessoas e acompanhar de perto seus resultados;

– Trabalhar com pessoas na busca de resultados;

– Firmar relações de confiança;

– Colocar-se no lugar do outro, a fim de entender e melhor ajudar a solucionar seus problemas;

– Estabelecer novos desafios para os integrantes do grupo;

– Elogiar o bom desempenho e demonstrar reconhecimento;

– Formar e desenvolver a equipe;

– Demonstrar autoconfiança naquilo que faz, contaminando os outros com seu entusiasmo;

– Desenvolver a habilidade de influenciar e persuadir os outros;

– Saber falar, mas também saber ouvir.

 

Fernando Montero da Costa é diretor de operações da consultoria de RH Human Brasil.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMídia em sacolas biodegradáveis
Próximo artigoO dilema da inovação