O trabalhador brasileiro está satisfeito?

0
2
O Brasil, assim como países como Índia, Chile e México, atingiu as maiores pontuações em todos os itens – ´ambiente de trabalho´, ´valorização´ e ´emoção´ – do Barômetro 2016: Bem-estar no Trabalho. O estudo, encomendado pela Edenred à Ipsos, mede a satisfação dos trabalhadores em relação ao emprego formal, ambiente, benefício, incentivos e recompensas recebidas. Realizado na Europa há 10 anos, o estudo chega ao Brasil pela primeira vez. No País, foram entrevistados 802 trabalhadores.
A pesquisa identificou que o nível de satisfação do trabalhador brasileiro cresce de acordo com a faixa etária analisada: é de 78% até os 30 anos, passa para 82% entre os 30 e 45 e chega a 87% após os 45. Além disso, as taxas são superiores inclusive à média global, de 73%. A mesma tendência aparece no equilíbrio entre a vida profissional e pessoal dos entrevistados. Enquanto 67% se mostram satisfeitos com o balanço até os 30 anos, a aprovação chega a 76% no grupo acima dos 45. Entre os 15 países analisados, a média é de 70%.
“Entendemos que os dois casos refletem um processo de estabilidade de carreira. Aos 45 anos, muitos profissionais já estão com família formada e em cargos que permitem viver consideravelmente bem, sem precisar gastar mais horas do que o necessário no trabalho. Isso tem como consequência melhor qualidade de vida”, afirma Rodrigo Shimizu, diretor de marketing e estratégia de produtos da BU Benefits da Ticket.
A pesquisa ainda mostra que a disposição de levantar cedo para trabalhar é outra atitude que varia de acordo com a maturidade do profissional. 82% dos entrevistados com mais de 45 anos gostam de levantar cedo para realizar suas tarefas, número que cai na faixa etária entre 30 e 45 (78%) e abaixo dos 30 (71%).
O Barômetro também analisou, entre diversos temas, por diferentes setores, cargos e idades se os profissionais se sentem respeitados pelos gestores. A média brasileira de trabalhadores que se sentem respeitados pelos seus gestores diretos é de 84%. Entre os gestores de nível médio (que também são liderados), essa avaliação é de 91%. Já entre os não gestores, esse número é de 82%. A análise entre idades revela um dado curioso: a percepção de respeito é de 85% para profissionais com menos de 30 anos, cai para 80% na faixa entre 30 e 45 e volta a subir para os trabalhadores com mais de 45 anos: 86%. O dado também pode ser analisado de acordo com o setor em que as pessoas trabalham. No setor de indústrias foi identificada a maior percepção de respeito pelos líderes: 89%, enquanto em serviços é vista a menor porcentagem: 82%.
O Barômetro apurou ainda quais são as principais preocupações vividas no dia a dia profissional. Para obter essa avaliação com maior precisão, foram sugeridas três respostas para corresponder às prioridades de cada um: ´manter o emprego´, ´tempo gasto trabalhando´ e ´nível de salário´. A pesquisa indicou que a principal preocupação entre os trabalhadores brasileiros é o nível de salário, considerado negativo por 42% dos entrevistados. Manter o emprego é avaliado como fundamental para 38%, enquanto o tempo que é gasto no trabalho é visto como excessivo por apenas 20%. Entre os gerentes, a maior preocupação está em manter o emprego, mencionada por 36% dos entrevistados. Já entre os não gestores, a baixa remuneração tira o sono de 43%, enquanto 39% priorizam continuar trabalhando no mesmo local.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO empoderamento feminino
Próximo artigoBrasil sobe no ranking do sorriso