Proxis cresce 25% no faturamento em 2008

0
1



A Proxis, prestadora de serviços personalizados de Contact Center, prevê fechar o ano fiscal de 2008, que se encerra em 31 de dezembro, com faturamento 25% superior ao registrado em igual período do ano passado. Em termos de volume de negócios, a empresa prevê crescimento da ordem de 37% no ano, dos quais 71% correspondem a recompras ou expansões de serviços para os clientes em carteira, e 29%, à conquista de novos clientes.

 

“Apesar da crise econômica e de outros fatores que agitaram o segmento de call center no país, conseguimos nos manter firmes e até nos superar porque fizemos investimentos acima de R$ 1 milhão durante o ano”, destaca Jimmy Cygler, presidente da Proxis. Do total de recursos, R$ 500 mil foram aplicados na modernização da infra-estrutura de telecomunicações e o restante na contratação de novos profissionais, no fortalecimento de processos e em makerting (principalmente endomarketing) e comunicação.

 

A meta da empresa é crescer 100% em dois anos (até o final de 2010) e nesse sentido durante 2008 foi feito um trabalho interno voltado a consolidar a cultura de monolito, para que todos os profissionais falassem a mesma linguagem e se pautassem por um pensamento unificado. “É como se tivéssemos freqüentado uma academia quatro vezes por semana durante o ano todo, e agora estamos em forma e preparados para enfrentar qualquer obstáculo – e vencer”, compara Cygler.

 

Perspectivas – Apesar da turbulência econômica, as estimativas da Proxis para 2009 são positivas. “Estamos preparados e na melhor forma da nossa história”, destaca Cygler, acrescentando que a empresa conta com uma carteira muito sólida de propostas, o que lhe dará uma relativa tranqüilidade quanto ao primeiro trimestre do ano, tido pelo mercado como o mais assustador.

 

Na avaliação do executivo, 2009 deverá ser bastante desafiador em função das mudanças impostas ao segmento de call center que começaram em 2007, com a promulgação do anexo II da norma regulatória trabalhista NR17, e que foram intensificadas em 2008 com duas leis – a estadual “Não Perturbe” (baseada na norte-americana Do Not Call List) e a federal (decreto lei 6523 de 31 de julho de 2008) que relgulamenta os SACs. “Esses fatores trarão mudanças radicais e as prestadoras de serviços que não se profissionalizarem não irão sobreviver”, sentencia Cygler.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJau parabeniza Vll Encontro
Próximo artigoOs líderes de reclamações