Um novo modelo de gestão

0
7



Autor: Vladimir Valladares

 

Os já conhecidos programas Lean Manufacturing e Seis Sigma, cada um com objetivos distintos, estão se unindo para a formação do Lean Seis Sigma, uma reestruturação que promete consolidar uma nova tendência nos processos de gestão empresarial. Atuando diretamente sobre pontos fortes de ambas as estratégias, o “novo” programa elimina os tempos ociosos e retrabalhos nas estruturas administrativas e produtivas, focando os resultados finais para a melhoria da qualidade dos produtos.

 

O Lean Manufacturing nasceu de uma necessidade da Toyota de aumentar a produtividade e diminuir os desperdícios inerentes a ela, garantindo retorno dos investimentos em curto prazo. Já o Seis Sigma, criado inicialmente pela Motorola e propagado pelos resultados gerados à GE, tinha o foco na melhoria da qualidade de seus produtos, ainda que estes pudessem ser vistos inicialmente como responsáveis por aumento de custo. Juntas, agora estas metodologias justamente buscam o processo ideal para produzir de forma mais rápida e econômica e com a melhor qualidade para o cliente final.

 

O Lean Seis Sigma é extremamente eficaz porque direciona para a solução de todos os tipos de problemas relacionados à melhoria de processos e produtos de forma sustentável, deixando a empresa mais rentável e sólida e podendo ser aplicada para qualquer tipo de empresa.

 

Entretanto, a implantação do Lean Seis Sigma deve ser bem cuidadosa, pois geralmente resulta em alterações radicais em processos e cultura, necessitando de equipes bem direcionadas e engajadas com os objetivos do programa para que seus resultados sejam efetivos. Para cada equipe são designados cargos hierárquicos e funções que delimitam a atuação das equipes subseqüentes. Neste contexto o papel da área de Recursos Humanos para a identificação dos perfis e capacitações gerenciais dos envolvidos se torna fundamental.

 

Para cada empresa são estabelecidos atributos e critérios específicos para a implantação, levando em consideração as necessidades de cada organização, com mapeamentos e fluxogramas dos processos e análise crítica do processo atual.

 

Com base nos resultados do período anterior, são feitas projeções de crescimento de acordo com o planejamento estratégico que será adotado. O uso da Gestão Visual e ferramentas como o Mapeamento de Fluxo de Valor, SMED (redução do tempo de troca de ferramentas), Kaizen (melhorias rápidas), MSE (quantificação de confiabilidade dos dados) e Análise de Regressão também podem ser inseridos no projeto.

 

O princípio básico do Lean Seis Sigma é Definir – Medir – Analisar – Melhorar – Controlar. Desta forma, é possível citar alguns pontos essenciais na utilização da ferramenta: instauração de projetos, otimização dos processos, treinamentos, liderança, mudança de cultura, inovação, monitoramento de indicadores e gestão do sistema.

 

Vladimir Valladares é diretor executivo da V2 Consulting.