Uma nova qualidade de serviços

0
2

A Altitude, empresa especializada em soluções para centrais de atendimento, dá início ao conceito on demand, muito utilizado no segmento de tecnologia, também para o setor de centrais de atendimento. Por esta negociação, ao invés de o cliente pagar pela aquisição e manutenção de toda a infra-estrutura ele paga somente pelo que usou por um determinado período. O “Pay-as-a-service”, como é chamado, permitirá aos “bureaus” de telemarketing lançar no mercado serviços por períodos pré-determinados, sem que haja a necessidade de comprar ou alugar os softwares para isso, reduzindo, assim, os custos das operações.
Segundo Elaine Ferreira, diretora geral da Altitude Software para América Latina, a solução favorece tanto à mudança do modelo para as pequenas empresas quanto à expansão da operação para empresas grandes, que têm diversas tecnologias.
As empresas que desejam fazer alguma ação com seus clientes obtêm o direito ao uso do sistema como um modelo de negociação e não como um aluguel. Por exemplo, uma operadora de cartões de crédito, que pretende diminuir a quantidade de clientes inadimplentes através de uma campanha de curta duração, um ou dois meses, pode contratar o serviço com um custo mais baixo que o da aquisição ou locação das ferramentas.
A Altitude oferece o número de licenças mensal e variável, de acordo com a demanda. Nesse pacote estão contempladas a utilização de campanhas ativas e receptivas, além de discagem preditiva, atendimento eletrônico (URA) e pacote multimídia (e-mail, chat e colaboração via web). Além disso, a empresa disponibiliza um programa de parceria, que reduz o preço da licença de acordo com os módulos que o cliente vai adquirindo.
Além da economia, o pay-as-a-service também oferece outras vantagens como ter incluso no valor mensal a atualização e manutenção do software contratado, além da adequação do pagamento ao tempo da utilização das ferramentas oferecidas pela Altitude. Outra vantagem muito importante é a transparência na mensuração dos valores, ou seja: o bureau sabe o custo do software em cada posição de atendimento (PA).
A meta da companhia é conquistar cerca de oito clientes, ainda este ano, o que significa alcançar a marca de mil Posição de Atendimento (PAs). “Já temos 120 PA’s e a repercussão está sendo melhor do que esperávamos. O que nos leva a crer que atingiremos nossa meta”, diz Elaine.