A hora e a vez dos cartões virtuais

0
0



Autor: Mateus Passos

 

O pagamento das passagens aéreas sempre foi realizado por meio do faturamento oferecido pelas agências de turismo. Durante muito tempo, este formato atendeu bem às necessidades das empresas. Oferecia-se um prazo médio de 16 dias para pagamento, com até três faturamentos por mês. Além do prazo razoável, obtinha-se alguns relatórios de controles que, em muitos casos, promovia somente a organização das cobranças e despesas por meio de centros de custos ou departamentos.

 

Podemos dizer, no entanto, que os pontos negativos deste processo estão acima dos benefícios do faturamento. Um exemplo é o caso de uma empresa que pedia reembolso de passagem. O valor era creditado para a agência de viagens que realizou a emissão, impossibilitando a empresa de ter qualquer autoridade sobre o controle da devolução dos valores relativos a este trâmite. No final dos anos 90, este cenário começou a mudar, ao chegarem ao Brasil os cartões virtuais para pagamento de passagens aéreas. O sistema resolveu praticamente todos os problemas advindos do modo convencional de pagamento de passagens.

 

Atualmente, todos os grandes bancos oferecem este serviço, e o melhor, sem custo adicional para utilizar o sistema. Por meio desta ferramenta, o prazo médio para pagamento passa de 16 para 26 dias. Outra opção é liquidar as despesas em uma única data, de acordo com o fluxo de caixa da empresa. Do ponto de vista tecnológico, os cartões virtuais para pagamento de passagens disponibilizam relatórios que podem ser convertidos em qualquer formato, possibilitando a integração dos dados com o ERP das empresas e o gerenciamento dos acordos comerciais com as companhias aéreas.

 

Todos os reembolsos são realizados por meio do cartão, eliminando a dependência da empresa em receber dados da agência para acompanhar esse processo. Outra grande vantagem é que o comprador não terá gastos adicionais com seguros de viagens, pois estes são oferecidos aos passageiros que utilizam a ferramenta como forma de pagamento. Mesmo com estes benefícios, ainda hoje me deparo com gestores que possuem grande resistência com relação ao produto. Percebo que existem duas oposições básicas. A primeira é que alguns foram pioneiros na implementação do sistema e tiveram alguns problemas com a sincronia do sistema da agência com o do cartão. A outra é o medo da mudança ou, até mesmo, o desconhecimento desta forma de pagamento.

 

Se você se identifica com algum destes casos, não desista do cartão, pois a dificuldade pode estar em algum ponto no processo entre sua empresa e a sua agência, podendo ser resolvida facilmente com uma boa consultoria. As vantagens são muitas, e as mais visíveis estão relacionadas à economia de tempo nos processos e melhor rasteabilidade no reembolso.

 

Atualmente, o grande desafio do mercado é desenvolver uma ferramenta semelhante para o pagamento das despesas hoteleiras, que dê o mesmo grau de controle oferecido pelos cartões virtuais destinados às com passagens. Isto se deve a eminente eliminação do faturamento imposto pelas principais redes hoteleiras, fato que desestruturou o processo de gerenciamento das despesas com hospedagens. Para atenuar essa questão, o bom e velho cartão de plástico – cartão corporativo -, aliado a um relatório de despesas de viagens, tem se mostrado uma eficiente solução.

 

Mateus Passos é gerente de novos negócios da Tour House.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTI em tempos de crise
Próximo artigoLBS Local vê oportunidades na crise