Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Qualidade de atendimento foi tema de debate no congresso da ABTA

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

De acordo com dados da central de atendimento da Anatel, até agosto, cerca de 26% das reclamações apresentadas pelos assinantes refere-se ao descontentamento com o atendimento oferecido pelas operadoras

“Qualidade de atendimento e serviço” para os assinantes de TV por assinatura foi o tema do workshop realizado no primeiro dia do congresso ABTA 2001, que irá acontecer até amanhã dia 3 de outubro, no Transamérica Expo Center, em São Paulo. Marconi Thomaz de Souza Maya, gerente geral de regulamentação, outorga e licenciamento de serviços por assinatura da agência nacional de telecomunicações – Anatel, foi o comentador do encontro, que contou com as apresentações de Roberto Rio Branco, da TVA; Dirlene Padilha, da TV Filme; e Leopoldo Inglez, da Canbrás; além de Ricardo Rodrigues, da Globo Cabo, como moderador.

A previsão do mercado e da própria Anatel era de que haveria neste ano cerca de 5,6 milhões de assinantes, mas a realidade é de 3,5 milhões. Hoje, as empresas de telecomunicações que ofereciam serviços de TV por assinatura, já ampliaram seus serviços para oferecer serviços de valor adicionado (internet), e visualizam para um futuro próximo disponibilizar serviços de voz. Mas ainda enfrentam um grande desafio, o atendimento com qualidade satisfatória ao cliente.

Segundo tabela de dados feita pela central de atendimento da Anatel até agosto, Cerca de 26% das reclamações apresentadas pelos assinantes refere-se ao descontentamento com o atendimento oferecido pelas operadoras, principalmente em relação ao tempo de espera e tratamento prestado ao assinante. Marconi Maya considerou que esses dados definem os principais ofensores do serviço de TV por Assinatura.

Após apresentar este dado, Maya chamou a atenção sobre o grau de insatisfação com a qualidade de atendimento oferecido pelas prestadoras, e alertou para o risco da terceirização de call centers no atendimento aos usuários: “pela impessoalidade, as empresas correm o risco de oferecer aos assinantes serviços que não atendem às suas necessidades, principalmente quando há deficiência das equipes de atendimento e técnicas, que formam a linha de frente de vendas das empresas”, completou Marconi.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima